NOVOS CAMINHOS DA EDUCAÇÃO

Minimizar

Foi na tarde de 5 de julho que, reunidos no Colégio de Santa Teresinha, se ouviu o distinto Secretário Regional da Educação, Ciência e Tecnologia, Dr. Jorge Carvalho, a percorrer os novos caminhos da educação.

A Superiora Provincial das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, Ana Freitas Marques da Silva, fez as honras de abertura, apontando a relevância da temática nas escolas da sua instituição, que “encaminhar” para a excelência, sob os valores da “Boa” serva de Deus, era missão.

Despertada a atenção dos presentes, cerca de 110 professores da Província do Coração de Maria, o Secretário, partindo do pensamento do líder indiano, Mahatma Gandhi, afirmou que o futuro dependia das ações do presente.

Depois de garantir que, em matéria de percursos, não existia um único, pois, já à nascença, estimulado era o ser humano por um conjunto de “caminhos”, apresentou quatro biografias para realçar a importância do professor. Evidenciou que as suas atitudes marcavam vidas. Ao encorajar, devia respeitar as vontades dos seus alunos. Orientar e acompanhar sonhos. Não comprometer.

Das histórias interessantes à igualdade versus equidade. Defendeu o princípio da equidade na educação, ressalvando que pessoas diferentes tinham necessidades diferentes e precisavam, efetivamente, de soluções diferentes para oportunidades iguais poder beneficiar.

Tornando saliente o conhecimento, a base de toda a criatividade e inovação, alegou ser o saber que capacitava as pessoas, fundamental para pensar de forma diferente, encontrar respostas novas para novos problemas e comunicar. Assim sendo e parafraseando o pensamento partilhado do autor Gilberto Garbi, para dirigir a enorme massa de conhecimento, é necessário haver pessoas com vasta cultura.

Na era da globalização dos mercados, da tecnologia e da cultura digital, urge, no entender do Secretário, saber um pouco de tudo. Há que ser mais radical, destemido, ter pensamentos novos, num contexto diferente onde o digital impera e o professor deixou de ser o protagonista em prol dos seus alunos. Deixou o apelo para uma lógica de maior flexibilidade nas escolas. Conhecer pessoas, instituições e lugares era crucial, na aquisição de competências sociais, pois não basta o domínio do cognitivo para se vingar num tempo exigente de grande competitividade. Há, então, de conhecer e de experimentar para bem motivar na sala de aula. Consumir e vender boas experiências.

Antes do espaço para partilha de questões, o orador recomendou a leitura do livro do professor e investigador Daniel Susskind, Um Mundo sem Trabalho, no sentido de alertar a comunidade escolar para as consequências advindas do avanço da tecnologia, um progresso que não tornará os humanos prescindíveis, mas atribuí-los-á um lugar diferente no mundo laboral, outra liberdade, outras exigências.

À questão sobre a dimensão dos currículos em Portugal, o Secretário confirmou que os eram, na verdade, extensos, assim como o número de aulas. Acrescentou que os portugueses eram demasiado metódicos e levavam, rigorosamente, o cumprimento dos mesmos. O ideal seria, na sua perspetiva, cumprir o currículo à medida de cada meio, com flexibilidade, parceria e partilha.

E assim, neste encontro, se fez justiça ao sentido literal do termo “educação”, que, do latim “educare”, remete para o guiar, o conduzir para o conhecimento e a prática de saberes diversos.

Que não se esqueça, nesta era da informação, dos ensinamentos da (e)terna Mãe, Irmã Mary Jane Wilson, que prevê, em máximas como estas, o essencial da missão terrena:

«Quem me dera que todas as crianças do mundo tivessem pão, soubessem ler, aprendessem a catequese e amassem a Deus.».

“SOMOS FINALISTAS!”

Minimizar

Mais um ciclo chegou ao fim para muitos dos alunos do Colégio de Santa Teresinha. Uma caminhada carregada de tanto. Um tempo único construído com valores e emoções, exemplos de vida e aprendizagens que ficarão para sempre.

No pré-escolar, os meninos, para festejar o seu percurso, apresentaram, no ginásio, muito daquilo que foram aprendendo nas atividades extracurriculares. Entre outros, momentos houve de karatê, de música, de dança e de canto.

Junto dos alunos de quarto ano, muitas lágrimas derramadas se assistiu junto da professora que ensinou a ler e a escrever. Não há palavras para tamanha arte e engenho! Despediram-se, assim, com leituras, canto e coreografias numa Eucaristia que contou com a presença do encarregado de educação. Depois de receberem um diploma, pousaram para a fotografia, riram e tanto se emocionaram. Dentro e fora da sala, foram comemorando as vivências até 30 de junho.

No segundo ciclo, os alunos fizeram a sua despedida numa Eucaristia muito especial com belos cânticos e leituras bem expressivas. Emocionados, receberam um diploma e foram surpreendidos por um convívio na cantina.

Por último, o terceiro ciclo, uma grande caminhada para muitos que a iniciaram na instituição aos quatro anos de idade. Houve uma Eucaristia com a presença dos encarregados de educação; demonstrações de grande afeto aos professores, à direção, ao pessoal não docente, por parte de cada turma finalista; a entrega de diplomas e de um anuário; a oferta aos finalistas de um bloco com os pensamentos que fizeram parte da vida do colégio neste último ano letivo. Pensamentos publicados, semanalmente, no site. Depois de tanta partilha, lágrimas e muitas fotografias, foram encaminhados para a surpresa no terraço do colégio, um bolo gigante com a fotografia de todos os finalistas. Que emoção sob uma vista magnífica a combinar com os protagonistas que partem, mas, como dizia o escritor aviador, não vão sós e deixam tanto de si na casa de Santa Teresinha.

 

«Pelo sonho é que vamos,

Comovidos e mudos.

[…]

- Partimos. Vamos. Somos.»

 

                 Sebastião da Gama

(MINI)FEIRA DO LIVRO

Minimizar

Aliando-se às editoras Imprensa Académica e Cadmus, o Colégio organizou, entre 22 e 23 de junho, uma feira do livro, no terceiro andar do edifício principal, com o objetivo de estimular hábitos de leitura, cultivar o gosto pelo livro e motivar para a leitura de autores madeirenses.

Foram muitos os títulos em exibição. Entre outros, O Pescador e A Bordadeira, de Rafaela Rodrigues; À Descoberta da História da Diocese Global, Luísa Antunes Paolinelli; De Férias em Santa Cruz, de Carlos Diogo Pereira; Uma História do Mar à Serra, de Andreia Nascimento; A Mão de Sangue, de João Augusto de Ornelas.

Alguns alunos do primeiro ciclo, amantes de futebol, adquiriram o livro de Andreia Nascimento – Os Mágicos da Choupana. Sob a forma de estórias, este contempla alguns marcos assinaláveis do Clube Desportivo Nacional, instituição que constitui, desde a sua origem, um verdadeiro agente de desenvolvimento social, cultural e identitário da Madeira. Uns optaram pela obra A Casa da Cultura, Carlos Diogo Pereira, pelas belas ilustrações e pelo propósito de conhecer o Teatro Municipal de Baltazar Dias, a casa da Cultura, no Funchal. Outros títulos foram escolhidos, para leitura de férias, com grande entusiasmo.

Entre os alunos dos segundo e terceiro ciclos, as preferências recaíram no livro de José Viale Moutinho - Contos Populares e Lendas das Ilhas da Madeira e Porto Santo e em Saias de Balão, de Ricardo Nascimento Jardim. O primeiro apresenta contos populares e lendas das ilhas da Madeira e do Porto Santo, cobrindo todos os concelhos, chegando mesmo às longínquas ilhas Selvagens. O segundo é um romance histórico que retrata a sociedade funchalense no século XIX: classes abastadas e classes humildes; dos bairros humildes às quintas; o vinho e o turismo; a comunidade inglesa; o papel da mulher; a emigração; registo escrito de sotaques e expressões.

 

Boas escolhas… Porém, o importante é, sempre, ler. LER mais para bem crescer!

ECOVALORES

Minimizar

Antes de fechar as notícias acerca deste ano letivo, há que dar conta de boas práticas como o projeto interdisciplinar – ECOVALORES – que colocou as disciplinas de português, formação pessoal e social e educação moral e religiosa católica (EMRC) “em campo”.

Tudo começou com a leitura analítica do poema de Eugénio de Andrade, “Urgentemente”, em que os alunos, mantendo a estrutura do mesmo e utilizando o vocabulário abordado na unidade letiva – “Ecologia e Valores” de EMRC, compuseram um poema original. Depois, elaboraram, a partir do mesmo, um poema visual. O resultado foi surpreendente, conforme atestam as imagens.

Nesta operacionalização, os alunos ficaram capazes de discutir o conceito Ecologia para um mundo sustentável, de questionar razões e situações que conduzem a comportamentos destrutivos para com a natureza, de valorizar os valores da responsabilidade, respeito e gratidão e de redigir, criativamente, um texto em verso.

 

Assim se apelou para a urgência de cuidar, conservar e reflorestar o planeta. E muito se sensibilizou para a gratidão e a responsabilidade com a Natureza. Com valores, tanto se consegue concretizar!

PLANTAS E ANIMAIS, A CONJUGAÇÃO DA MÃE NATUREZA

Minimizar

Apesar de estarmos a chegar ao fim do ano letivo, muito se trabalha no nosso Colégio e há sempre espaço para mais uma exposição. Desta vez, vamos às plantas e aos animais, elementos fundamentais da Mãe Natureza, sem os quais a vida do Homem estaria comprometida.

Assim, na disciplina de ciências naturais, e de acordo com a temática “Importância da proteção da biodiversidade animal”, os alunos do 5.º ano do ensino básico foram orientados a operacionalizar um trabalho de pesquisa sobre um animal extinto ou em vias de extinção. 

Completando o projeto anterior, os mesmos alunos elaboraram, também, uma pesquisa sobre as plantas endémicas da Madeira, cumprindo o conteúdo programático que recai sobre a diversidade das plantas.

Na mesma disciplina, os alunos de 6.º ano do ensino básico realizaram uma pesquisa sobre a utilidade das plantas na RAM, trabalhando-se, desta forma, a importância das plantas na sua relação com a sociedade.

Abordados os conteúdos gerais, privilegiou-se o património local, ou seja, o estudo das plantas e dos animais, tendo por referência o espaço geográfico onde o aluno se inseria e a cultura desenvolvida. Nesse sentido, surgiram as relações da cana-de-açúcar ao mel de cana, da linhaça ao bordado madeira, do vime à cestaria. No âmbito das plantas endémicas da Madeira, o gerânio-da-Madeira, o ensaião, o massaroco, o loureiro e o til sobressaíram neste estudo.

 

Já no campo dos animais, as fronteiras portuguesas foram ultrapassadas, fazendo surgir o panda vermelho, a borboleta azul, o leopardo-de-Amur, o urso polar, a arara azul, os társios, entre outros. Espaço houve, também, para o nosso amigo lobo-marinho e para os golfinhos tão conhecidos da nossa gente.

O AgenteX NO COLÉGIO!

Minimizar

CAMPEONATO REGIONAL DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA

Na passada sexta-feira, 18 de junho, realizou-se a segunda fase do AgenteX - “Investigação Final”, entre as 13h30 e as 15h00, no edifício principal do Colégio de Santa Teresinha. Nesta prova individual, participaram os “agentes” com melhor classificação na Fase de Investigação, que consistia na resolução de dez casos (problemas), ocorrida até maio.

Assim sendo, no campeonato “mini”, estiveram em prova os alunos do 6.º C: Manuel Franco e Miguel Franco; no “max”, do 7.ºA:  Alexandre Neves e Diogo Silva. Na final, tiveram, como desafio, seis problemas, três de escolha múltipla, em que a avaliação recai sobre a opção corretamente selecionada, e três de resposta aberta, em que a classificação valoriza todo o processo de resolução apresentado.

Posteriormente, corrigidas as provas, são premiados os três melhores Agentes do campeonato “AgenteXmini” e os três melhores do “AgenteXmax”. Para todos, há um prémio de participação e um certificado.

Porém, o que conta é, de facto, a participação nesta iniciativa que, além de um complemento ao processo de ensino/aprendizagem da Matemática, promove o gosto pela disciplina e o espírito de competição e iniciativa.

E, uma vez mais, na resolução de problemas, provou-se que a matemática é crucial no crescimento integral de qualquer “agente” que se quer grande, concentrado e realizado.

 

Muitos são os benefícios desta ciência. APRENDER A PENSAR para boas decisões tomar!

“A TUA LÍNGUA NÃO ME É ESTRANHA!”

Minimizar

Foi operacionalizado, no âmbito do Apoio de Português Língua Não Materna (PLNM), um projeto intitulado “A Tua Língua Não Me É Estranha!”.

Ao longo do terceiro período, as alunas Erika Pérez e Stefani Teixeira realizaram, ao longo das aulas de apoio, toda uma atividade de pesquisa e tratamento de dados para posterior elaboração de um trabalho a apresentar nas turmas de 5.º ano.

Erika e Stefani, duas alunas extremamente dedicadas e responsáveis, quiseram partilhar com os colegas mais novos algumas informações relacionadas com o seu país de origem, a Venezuela.

A localização da Venezuela, a sua capital, o idioma, a educação, a religião, a gastronomia e as festividades foram alguns dos temas abordados ao longo da apresentação, tendo as alunas não só conquistado a atenção e o carinho dos colegas como também uma participação bastante ativa dos mesmos.

Do esforço de duas alunas de PLNM à empatia e curiosidade dos alunos na aula de português. E, assim, pela inclusão, com responsabilidade, criatividade e muita garra, é que vamos! 

“PUBLICIDADE TRANSPARENTE… PARA UMA ESCOLHA CONSCIENTE”

Minimizar

Por ocasião da abordagem do conteúdo programático referente ao texto publicitário, os alunos do segundo ciclo construíram os seus próprios anúncios, quer comerciais, quer não comerciais ou institucionais, dando largas à sua imaginação, sensibilidade e criatividade.

Num projeto a que deram o nome de “Publicidade Transparente… Para uma Escolha Consciente”, os alunos, para além de aplicarem efetivamente os conhecimentos adquiridos e assimilados,  (inter)agiram em conformidade com aquelas que devem ser as regras de uma publicidade correta e assertiva, pois, enquanto consumidores, antes de tudo, serão sempre confrontados com todo o tipo de apelos por parte de uma sociedade que nem sempre tem como prioridade o respeito por essas mesmas regras e pelos valores morais e sociais inerentes a uma realidade que queremos igualitária e responsável!

Mais uma vez, o segundo ciclo está de parabéns pelo seu trabalho. Um trabalho recheado de dedicação e responsabilidade! Amor e criatividade!

 

O ESPLENDOR DE PORTUGAL!

Minimizar

É com brio que, pelo oitavo ano consecutivo, o Colégio de Santa Teresinha participa no Concurso “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”, dirigido aos alunos dos estabelecimentos de ensino básico, secundário e profissional por ocasião das comemorações do dia 10 de junho.

Esta iniciativa do Representante da República para a Região Autónoma da Madeira, Ireneu Cabral Barreto, visa associar as gerações mais novas às comemorações do dia 10 de junho, premiando os melhores textos individuais, relativos às temáticas evocadas nesta efeméride.

O texto da aluna Victória Freitas de Castro foi galardoado com a menção honrosa, entregue pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na tarde de 8 de junho, no Palácio de São Lourenço.

Depois de ouvir o texto da aluna vencedora e de o considerar primoroso, o Presidente da República teceu um discurso amplamente motivador para todos os presentes, em especial para as quatro alunas premiadas. Enalteceu-lhes a arte de escrever muito bem na língua portuguesa e apelou para que tivessem sempre orgulho em ser portuguesas. Realçou a importância de viver uma experiência como aquela e de lá estar pela pátria, um momento marcante, de grande crescimento.

No grupo convidado do Colégio de Santa Teresinha, além da professora de português de nono ano e da aluna premiada, na companhia dos seus pais, estiveram presentes os alunos participantes: Carolina Quaresma Azevedo Santos, João Bernardo de Jesus Ghira, Leonor Fernandes de Gouveia e Mara Rafaela de Freitas António Sousa Rocha. Com brio, ofereceram ao Presidente o livro sobre a fundadora do seu colégio O Percurso Madeirense da Venerável Irmã Wilson segundo a imprensa regional (1881-1916) – da autoria de Duarte Mendonça. A caridosa “Boa Mãe”!

Foi com a alma cheia que as alunas participantes do Colégio de Santa Teresinha saíram do evento. Discurso inspirador, atitude calorosa, palavras certas, vontade em ser e lutar por Portugal. Bem-haja!

 

Na “pequena grandura dum batel”, a sonhar e a concretizar o esplendor de Portugal! 

 

NO PARQUE DOS POETAS

Minimizar

A 5 de junho, o aluno Santiago Vieira do 4.º C assistiu à prova final de palco do Concurso Nacional de Leitura, no Templo da Poesia, Parque dos Poetas, em Oeiras.

A delegação da Madeira foi muito bem recebida pelas comissárias da iniciativa. O aluno Santiago fez-se acompanhar pela professora Fátima Andrade e a sua encarregada de educação. O evento decorreu durante a manhã e foi transmitido em streaming devido à pandemia da COVID-19. Porém, os alunos da Madeira tiveram a honra de assistir, ao vivo, à cerimónia final do Concurso, apresentada por José Carlos Malato.

Além desta festa em palco, houve, ainda, a possibilidade de uma visita ao Aquário Vasco da Gama, após um almoço agradável no terraço do Templo da Poesia.

Com poesia, património e convívio, fez-se o encerramento do Concurso que visa estimular o gosto e o prazer da leitura para melhorar o domínio da língua portuguesa, a compreensão leitora e os hábitos de leitura.

 

Que se continue a voar sem ter asas e a viajar sem sair do lugar!

SER CRIANÇA

Minimizar

SER CRIANÇA é ter o sonho de voar, de crescer e de brilhar.

É construir um mundo de sonhos, depositando a esperança de os concretizar.

É brincar com a simplicidade de imitar os adultos.

É crescer com a certeza de que é necessário superar desafios.

É festejar cada dia como se não houvesse amanhã.

SER CRIANÇA é ter um sorriso fácil, é desejar ser um herói, é imaginar-se no topo do mundo, é ser grande, sendo pequenino.

Ah! Como é bom ser criança!

Pelas crianças, concretizamos a nossa missão; nas crianças, depositamos as nossas esperanças; assim sendo, celebramos o Dia da Criança.

Entre gelados e bolas de sabão, aqui se fez a delícia do dia 1 de junho. Os placares devidamente decorados assinalaram, com cor e alegria, esta efeméride.

Não faltaram os jogos no átrio, o cinema e a confeção de doces na sala de aula. Os alunos do 1.º ciclo ainda tiveram a experiência de um dia sem farda. “Que fixe!”, exclamavam.

Dos mais pequenos aos maiores, ninguém ficou esquecido. Foi um dia verdadeiramente especial para as crianças de Santa Teresinha, confirmado em cada sorriso de felicidade. Nas palavras de imensa gratidão.

Feliz dia da criança!

PRECES A “MARIA, NOSSA MÃE”

Minimizar

«Maria, Mulher da ação,

faz com que as nossas mãos e os nossos pés

se movam “apressadamente”

rumo aos outros,

para levar a caridade

e o amor do teu Filho Jesus,

para levar ao mundo, como tu,

a luz do Evangelho.

Ámen!»

                                                         Papa Francisco

A 13 de maio de 2021, em Santa Teresinha, preces de renovada gratidão foram aclamadas à bela “Mãe imaculada”, “incomparável Mãe”, pela sua presença materna. De amparo num tempo de imensa esperança. Mãe de misericórdia.

Súplicas de amor, de humildade, de vocação, de intrepidez, de proteção a Bem-Aventurada Virgem de Fátima ecoaram em cânticos, orações e ilustrações, entre os meninos e as meninas do pré-escolar aos finalistas do ensino básico.

Assim, no pré-escolar, a história da “Rainha do Céu” foi assistida em vídeo, desenhos e ilustrações foram realizadas, entre orações e cânticos, em prova da sua devoção.

Junto dos alunos do primeiro ciclo, o dia 13 de maio foi igualmente especial. Para a comemoração da aparição de Nossa Senhora aos três pastorinhos, Lúcia, Francisco e Jacinta, decoraram salas e placares com imagens criativamente ilustradas. Honraram o pedido que a Virgem Maria fez aos três pastorinhos e rezaram o terço. Em simultâneo, os alunos realizaram algumas preces, entre as quais se pediu a proteção das famílias, da escola e todos os que os ajudam no crescimento. Ao som do cântico “A treze de maio”, foi realizada uma procissão, durante a qual seguiram atrás de um pequeno andor, ornamentado com flores oferecidas generosamente pelos alunos, com Nossa Senhora ao centro e conduzido por quatro alunos.

Nos restantes ciclos, ora em educação moral e religiosa católica ora em formação pessoal e social, deixou-se velar pela “nossa Mãe” com oração e preces, em silêncio, para um abraço de vida, esperança e paz.

 

«Ah! Guardai-me e defendei-me como coisa própria vossa.»

 

DE LEITORES A ARTISTAS

Minimizar

Na leitura da obra O Colar, de Sophia de Mello Breyner Andresen, os alunos do oitavo ano, na disciplina de português, foram motivados para a escolha de um excerto para a sua dramatização em pequenos grupos.

Escolhido o grupo e o excerto, houve ensaios em aulas ao ar livre, no pátio da escola, onde a emoção e a aprendizagem tão bem se fez.

No papel de Vanina, do Tutor, da Bonina ou de outra personagem da obra, os alunos apresentaram-se em “palco” com responsabilidade e empenho. Adereços não faltaram: leques, chapéus, lenços, xailes, vestidos, saias compridas, gravatas, bengalas, espelhos…. Houve quem trouxesse fatos de casamento para protagonizar o Comendador Zorzi ou o Tutor de Vanina, uma rapariga apaixonada, vaidosa e ingénua. Uma rica aprendizagem.

Além da vertente da leitura e da oralidade, os alunos trabalharam a escrita criativa. Compuseram, em verso, o retrato da personagem que iam interpretar, numa cartolina A4 ilustrada.

Nestas ações, os alunos foram encorajados a desenvolver e a pôr em prática valores essenciais na cultura de escola, nomeadamente a responsabilidade, a excelência, a inovação, a reflexão, a cidadania e a participação. Verificaram que a vida, muitas vezes, traz ilusões. Aprenderam, no lugar das personagens, a distinguir as ilusões e os sonhos da realidade. Conheceram mais sobre Veneza, a cidade construída sobre a água, com canais onde circulam gôndolas.

 

Assim, neste projeto de leitura, além das competências de linguagens e textos, os alunos desenvolveram o pensamento crítico e criativo. Tudo a partir de um livro e da leitura que é arte. 

“QUEM TE AMA NÃO TE AGRIDE!”

Minimizar

“Quem te ama não te agride!” foi o mote para o trabalho dos alunos do 9.º ano, no âmbito da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento.

Valorizar relações sem violência, sejam elas de namoro, de amizade, de parentesco, de trabalho ou de convívio pontual foi um dos objetivos deste trabalho.

A comunicação social traz a público situações de violência que terminam de forma fatídica. Infelizmente, constatou-se que, por exemplo, entre namorados, a violência, seja física ou psicológica, tem mostrado uma tendência para subir. De forma preocupante, alguns jovens consideram normal haver violência no namoro e, frequentemente, entendem esse comportamento como sendo um ato de amor.

“Quem te ama não te agride!” pretende alertar os jovens para a ação inversa: quem ama cuida; quem ama protege; quem ama faz feliz; quem ama entende; quem ama respeita

Mais uma vez, a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento cumpriu a missão de trabalhar os alunos no sentido da construção de cidadãos conscientes, proativos, completos e respeitadores dos direitos universais dos homens.

 

Os trabalhos encontram-se expostos no quarto andar, em placares das salas de aula e do corredor, permitindo que a mensagem ecoe no coração dos jovens alunos, na pretensão de um futuro com mais AMOR. Verdadeiro!

“NA INCERTEZA DE TRAJETOS… A CERTEZA DOS AFETOS!”

Minimizar

No âmbito do conteúdo programático relativo ao texto descritivo, em específico o Retrato, os alunos do 5.º ano desenvolveram, na disciplina de português, o projeto intitulado “Na incerteza de trajetos… a certeza dos afetos!”.

Com a colaboração dos professores de educação visual, que viram, de imediato, as suas turmas aderirem, com visível entusiasmo e verdadeiro sentido de trabalho e de compromisso, ao desafio que se avizinhava, os alunos viram a sua atividade direcionada para duas vertentes tão distintas quanto complementares: mobilização e sistematização das competências de leitura e escrita com aperfeiçoamento de texto e aquisição de modelos e aplicação de técnicas de representação do rosto.

A tarefa consistia na elaboração de um retrato escrito de um(a) colega, a partir da aprendizagem e consolidação das características desse tipo de texto, do qual nasceria, num segundo momento, a representação do rosto desse mesmo colega, tendo por base critérios, modelos e técnicas abordados nas aulas de educação visual.

O laço de amizade ditou a escolha do “objeto” retratado, tendo-se valorizado, especialmente, o critério dos sentimentos, emoções e afetos entre pares. Muitos foram os que aproveitaram a oportunidade para homenagear o amigo, o companheiro, o bom colega.

Para além da incontornável formação académica dos alunos, está a formação pessoal que se vê, cada vez mais, na iminência de ser trabalhada de forma responsável e corajosa, mas também intuitiva e sensível. Sabemos, de antemão, como as crianças são de emoções fáceis!

E foi, assim, sobre os pilares do conhecimento académico, pessoal e social, que se baseou e sustentou o projeto agora partilhado no terceiro andar.

Os alunos estão de parabéns e é a entrega, o sentido de responsabilidade e o comprometimento incondicional, os valores de cada um deles que justificarão, por si só, um deambular crítico, responsável e afetuoso, pela exposição.

 

Obrigado!

CNL – FASE NACIONAL À VISTA!

Minimizar

 

«Não há amigo tão leal quanto um livro.» (Ernest Hemingway)

E foi com este lindo pensamento do Nobel de Literatura de 1954 que tudo começou neste ano letivo. Terminada a Fase Regional, o colégio foi apurado para a fase seguinte, a Nacional, e será representado pela grandura do pequeno Santiago de nove anos, a frequentar o quarto ano de escolaridade. Parabéns!

A 19 de maio, fará a prova escrita de pré-seleção online e, até 22 de maio, realizará um vídeo, com a duração de um minuto, apresentando um spot de recomendação do seu livro favorito – O Gigante Egoísta. Um hino à partilha e à bondade! Depois, é aguardar pela decisão do júri, que há de selecionar os cinco melhores de cada nível de ensino para a prova final de palco, a 3 de junho, no auditório do Jardim dos Poetas, em Oeiras. O importante, porém, foi fazer da leitura uma festa. E cá se fez e faz!

Um agradecimento de coração a todos os participantes. Bem-haja!

Força, Santiago!  Pela leitura é que vamos! E somos grandes!

PRIMAVERA, LINDA PRIMAVERA!

Minimizar

A assinalar a estação das flores e das temperaturas amenas, têm estado os alunos do pré-escolar e do primeiro ciclo a ler histórias, a ilustrar, a desenhar e a escrever sobre a primavera.

Borboletas, joaninhas, abelhas, flores de várias espécies, experiências enriquecedoras compõem placares e embelezam as suas salas. Pode ler-se, num dos corredores, que a primavera é sinal de conhecimento, desafio, carinho, amor, alegria e amizade.

Aprendem e partilham, entre pares e em casa, características e curiosidades acerca da mesma. Os animais, que hibernaram na estação mais fria, estão prontos para deixar as suas tocas e abraçar o sol. Os dias vão-se tornando mais longos e as noites, mais curtas… E mais havia para contar.

Neste tempo ainda incerto, em que o calor do abraço não é, literalmente, possível, fiquemos gratos por mais uma primavera! Obrigado!

 

A SRA. D. MATEMÁTICA

Minimizar

A Sra. D. Matemática resolveu inovar e mostrar que a arte também nela mora. Assim, num dia lindo de sol, saiu de casa para encontrar o seu amigo Pi.

O Pi não estava lá muito bem-disposto, visto que estava com dificuldade em encontrar o seu último número. Então, a Sra. D. Matemática resolveu animá-lo e sugeriu “Deixa lá, Pi! Não precisamos de ver o fim, só precisamos de ter consciência da importância do princípio, o resto vai surgindo…”. O Pi refletiu e percebeu que era muito feliz por ter 3,1416… como os seus números de início de percurso.

Agora que estavam os dois contentes, a Sra. D. Matemática e o Pi resolveram convidar Eratóstenes, o célebre matemático, para um passeio à beira-mar.  Contudo, Eratóstenes estava angustiado, pois faltava-lhe um primo. Nesse sentido, a Sr.ª D. Matemática e o Pi resolveram ajudá-lo a calcular os números primos até 100. Ah! De certeza que o primo ia aparecer!

No caminho, encontraram a simetria, vaidosa e vistosa, mostrava-se ao mundo através de bonitos desenhos livres na vida. Oh, que maravilha!!!!

Assim, nasceu a exposição dos nossos alunos de 6.º ano. Mostrando que a matemática pode ser divertida, realizaram trabalhos com cores e feitios diversos, mostrando a simetria aplicada ao desenho livre e à arte na Matemática. Não podia faltar 3,1416… E tanta curiosidade houve para conhecer a história do Pi e da sua aplicação ao cálculo do perímetro e da área de um círculo. Explorando o Crivo de Eratóstenes, os alunos descobriram os números primos até 100.

Muito conhecimento se adquiriu e se transmitiu com a partilha dos trabalhos! A matemática é uma ciência tão divertida. Necessário é não perder o fio à meada… 

VÍCIOS

Minimizar

Hoje, a escola convida os seus alunos a refletirem sobre problemas sentidos por cada um e pela sociedade em geral. A transformação social só será conseguida se obtivermos a consciência do contexto envolvente onde o indivíduo se move. O desenvolvimento de um espírito crítico, outrora desvalorizado, é, agora, o mote para se atingir uma sociedade mais equilibrada e uma participação ativa dos cidadãos, baseada na igualdade, na democracia, no pluralismo e na justiça.

No âmbito da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, inserido no domínio de trabalho “Saúde”, os alunos do 8.º ano foram desafiados a pensar no problema dos vícios.

Sabemos que, na atualidade, o ser humano é, frequentemente, interpelado por estímulos que, não sendo bem decifrados, podem constituir um problema sério para os próprios, para a sua família e para a humanidade em geral.

Poderiam ser trabalhados vários vícios nocivos ao ser humano, desde o excesso do uso de videojogos, a má utilização da Internet e das redes sociais, o consumo de cigarros e de outras substâncias tóxicas. Enfim, um mundo obscuro que, facilmente, os jovens podem tropeçar.

Os alunos escolheram trabalhar o vício do álcool e elaboraram vários cartazes informativos, apelativos e muito bem ilustrados que foram afixados pelas salas do Colégio.

Daqui, resultou a certeza de que é importante seguir em frente, sabendo fazer as melhores escolhas, evitando os caminhos tortuosos que, por vezes, se atravessam.

Mais do que nunca, cada um deve confecionar a sua própria felicidade com receitas simples como esta: 50 gramas de paixão, 10 colheres de amor, uma chávena de discernimento, loucura q.b. e uma pitada de desafio. Eis a receita da vida! Saborosa e sem vícios!

POR UMA SOCIEDADE MAIS SUSTENTÁVEL

Minimizar

Na passada sexta-feira, 7 de maio, dois jovens “deputados” do Colégio de Santa Teresinha, Edgar Estróia e Vitaliy Markevych, participaram na sessão plenária do Parlamento Jovem Regional, na Assembleia Legislativa da Madeira (ALM). Em debate, discutiu-se a temática do projeto para o presente ano letivo: “Segurança Social”.

O mundo atual tem colocado diversas questões neste âmbito, pois, com uma população cada vez mais envelhecida, que medidas tomar para assegurar a sustentabilidade social? É neste contexto que o debate democrático se fez com ensinamentos de pequenos e “graúdos”. Na abertura, o Presidente da ALM, José Manuel Rodrigues, ressalvou a urgência de haver reformas na Segurança Social, a fim de se evitar constrangimentos entre gerações. Já o Diretor Regional da Educação, Marco Gomes, enalteceu o projeto na formação integral dos jovens alunos.

Nesta sessão, os “jovens deputados” tiveram a oportunidade de colocar questões aos deputados representantes por cada grupo parlamentar.

Recorde-se que, a 17 de março, o Colégio de Santa Teresinha marcou presença na terceira reunião preparatória do projeto Parlamento Regional, através da plataforma zoom. Cada escola apresentou o seu projeto de recomendação para o tema Segurança Social com quatro medidas legislativas. O colégio foi honradamente representado pelos jovens deputados efetivos, Edgar Estróia, Vitaliy Markevych e Carlota Matos.

E, nesta iniciativa da Secretaria Regional de Educação, Ciência e Tecnologia, em parceria com a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, fomentou-se os princípios que dão sentido ao Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, em particular a inclusão e a sustentabilidade. Formar, com equidade e democracia, a consciência de sustentabilidade para o equilíbrio e tranquilidade da humanidade!

PARA SEMPRE, E SEMPRE, MÃE!

Minimizar

«Mãe não tem limite,

é tempo sem hora,

luz que não apaga

[…].

Mãe, na sua graça,

É eternidade.»

E, com estas palavras de amor do poeta e contista brasileiro, Carlos Drummond de Andrade, inicia-se a homenagem ao ser que é amor. Amor puro. Corajoso. Supera obstáculos. Dá colo.

Nesta exaltação a esta amor incondicional, muitos foram os trabalhos orientados em cada sala de aula, dos pequeninos aos crescidos. No pré-escolar, os placares ganharam corações, estrelas e retratos sob o mote “Mãe, Super Mamã”, não fosse a mãe inspiração, poesia e autêntica magia!

No primeiro ciclo, o reconhecimento também se fez, entre tons variados. Saliente-se o trabalho implementado na expressão plástica, atividade extracurricular, junto os terceiro e quarto anos. Compuseram postais, bases para copos e ornamentaram saquinhos de papel.

Orientados pela disciplina de português, o segundo ciclo foi bastante criativo. Um acróstico foi realizado pelos alunos do quinto ano, a elogiar os atributos da sua querida mãe.  Em formação pessoal e social, no 5.º A, ficou a orientação de uma experiência a ser realizada com a mãe: uma flor com pétalas de amor. Os alunos do sexto ano criaram um postal bem original com palavras de gratidão, de imensa ternura, a enaltecer a grandiosidade da sua mãe. Mãe generosa. Mãe admirável. Mãe verdadeira. Sublime!

Entre outras iniciativas, no terceiro ciclo, é de louvar a iniciativa dos alunos do oitavo que, em formação pessoal e social, ilustraram um belo coração em cartolina. Nele, com versos de reconhecimento, caracterizaram a sua mãe e declararam o seu amor. Um desafio gratificante! Com emoção, tão bem se escreveu sobre aquela que incita a crescer, a sonhar. A estar e a ser grande!

 

Com mais ou menos criatividade, em cada projeto, justiça cá se fez àquela que é mais do que o ser que gera, que dá à luz… Mãe é amor infinito. Esperança e conforto! Mãe cuida, orienta e deixa “voar”. É um dom abençoado por Deus!  Bem-haja! 

Pré-escolar


 

1.º Ciclo

 

2.º Ciclo

 

3.º Ciclo

UM PASSEIO PELA NOSSA HISTÓRIA

Minimizar

Saber quem somos implica conhecer quem fomos. Conhecer o passado e reconhecer a herança que nos foi deixada é uma missão da disciplina de história. A construção de uma sociedade, quer a nível cultural, quer a nível material, assenta num complexo enredo da súmula das sociedades anteriores. Por mais recuado que seja o tempo, as influências na atualidade são significativas. O homem evoluiu e, com ele, trouxe a criação de um mundo que se foi complexificando para que a sua adaptação à natureza se concretizasse e para que as suas necessidades fossem, paulatinamente, satisfeitas.

No espírito da descoberta sobre vidas passadas, os alunos do 3.º ciclo foram convidados a trabalhar temas como o culto religioso no Antigo Egito, a Expansão Europeia e a II Guerra Mundial. Os trabalhos resultaram da exploração dos conteúdos da disciplina de história nos 7.º, 8.º e 9.º anos, respetivamente.

E porque o conhecimento é tão grandioso quanto mais é partilhado, os trabalhos dos alunos encontram-se expostos no nosso Colégio. Neste passeio pela nossa História, reconhece-se a identidade inerente à pertença ao grande grupo que é a Humanidade. 

A POESIA É O ESPELHO DA ALMA

Minimizar

A Poesia é o espelho da alma e do pensamento humano. Do coração e da mente, pulam emoções, pensamentos e experiências que se materializam em palavras, cuja interpretação é ambígua e, ao mesmo tempo, fascinante.

 

No segundo período, os alunos do sexto ano foram convidados a celebrar a poesia, construindo pequenas narrativas poéticas, partindo do tema: “Se fechasse o tempo numa caixa,…”. Embalados pela imaginação, criatividade e encanto, arranjaram palavras, talharam frases e edificaram-se textos imbuídos de beleza, ritmo, musicalidade e experiências diversas e únicas. Revelaram-se pequenos poetas!

POSTAIS DE PÁSCOA: TRADIÇÃO OU INOVAÇÃO?

Minimizar

Tradição ou inovação, a verdade é que os alunos do terceiro ciclo estiveram, em regime não presencial, sob a orientação das Aprendizagens Essenciais da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) a criar um postal de Páscoa em cartão.

Adotando as mais variadas técnicas, os alunos dos sétimo e nonos anos surpreenderam com a sua responsabilidade e arte. Primeiro, criaram uma mensagem apelativa sobre a grandeza da festividade religiosa que celebra a ressurreição de Jesus, depois, ilustraram-na e, por fim, registaram o trabalho em suporte digital para publicação na plataforma “Moodle”.

Com este desafio de criação de um postal original, os alunos tiveram a possibilidade de desenvolver um conjunto de competências transversais a outras disciplinas, a destacar: sensibilidade estética e artística; pensamento crítico e pensamento criativo; linguagens e textos.

A acrescentar todos estes ensinamentos, está outra lição determinante para a formação integral de cada aluno, na senda da sua Educação Cristã: Páscoa é tempo de amor, paz e alegria, pois Jesus ressuscitou. Páscoa é esperança. Gratidão!

Carregado de fibras óticas ou não, o importante é enviar uma intenção carregada de carinho a alguém. E, na Páscoa, faz todo o sentido, pois, na reflexão, crescemos e passamos a valorizar o essencial: os afetos.

FORMAR LEITORES COMPETENTES

Minimizar

A educar literariamente os alunos do primeiro ciclo, têm contribuído os projetos implementados na educação literária, atividade extracurricular do primeiro ciclo. É o exemplo da turma do 3.º C que muito tem experienciado e crescido nesta iniciativa.

Primeiro, compreendido o essencial do texto escutado, os alunos embelezaram a inicial do seu nome com materiais evocados na história lida acerca do mar.

Depois de ouvir ler o livro de Francisco Fernandes – Duas Estrelas do Mar e um Peixe Prateado, os alunos realizaram uma ficha de trabalho e um origami, com desenho e pintura.

Com o intuito de apreciar o conto “O Soldadinho de Chumbo”, fez-se o visionamento da história, seguido de diferentes práticas de oralidade, a destacar o reconto oral. Disponibilizou-se um quiz para aferição da compreensão do texto literário. Para finalizar, os alunos elaboraram um trabalho manual, com construção de um barco, recorte, colagem e pintura.

Assim, pretende-se tornar os alunos em leitores competentes, capazes de ler, entender, compreender e falar, correta e criativamente, a língua portuguesa, com um repertório vocabular diversificado.

DO INVERNO À PRIMAVERA

Minimizar

Entre a estação mais fria das quatro, o inverno, à tipicamente associada ao reflorescimento da flora terrestre e ao pipilar das andorinhas, eis a almejada primavera. Neste período, foram muitos os projetos desenvolvidos na atividade extracurricular de expressão plástica no primeiro ciclo.

É o caso do 3.º C que, aplicando o recorte, a montagem, a colagem, o desenho e a pintura, expuseram trabalhos alusivos ao inverno, aos animais e à primavera.

Assim, conclui-se que é possível treinar esta capacidade de criar, de inventar, ou seja, a criatividade. Importante será mantê-los artistas depois de crescidos, pois, no entender de Pablo Picasso, «Toda criança é um artista.».

MEU PAI, MEU SUPER-HERÓI!

Minimizar

Do latim “pater”, pai é aquele que educa e cria. Aquele que cuida e protege. Aquele que aconselha e orienta. Pai é aquele que dá amor e colo nas alegrias e nas tristezas!

Em tempo de pandemia, o Dia do Pai não foi esquecido e a festa tanto se fez na escola como no ensino à distância.

No pré-escolar, muitas foram as lembranças, criativamente, elaboradas por todos os “pequeninos” para surpreender o seu “super-herói”. Uns gravaram na palma da sua mão o rosto do seu herói. Outros partilharam atributos, saberes e poderes do seu tesouro em trabalhos variados.

Várias foram também as iniciativas implementados em todos os anos do primeiro ciclo para homenagear o companheiro que ampara sem limites. Os alunos dos terceiro e quarto anos, por exemplo, na atividade extracurricular de expressão plástica, compuseram um postal com a forma de um coração, a partir de um modelo fornecido. Usaram o recorte e a colagem e o lápis de cor e a caneta de feltro como técnicas de acabamento.

A representar o segundo ciclo, a turma do 6.º C não deixou passar esta data e, durante as aulas de formação pessoal e social, cada aluno elaborou um distinto postal, com uma emotiva mensagem em honra do seu pai, o exemplo a seguir.

Em regime não presencial, os alunos de terceiro ciclo assinalaram também a efeméride. É o caso dos alunos das turmas 8.º A e 8.º B que, na aula de formação pessoal e social, escreveram uma linda mensagem de gratidão ao seu pai, à luz que os acompanha. Houve quem compartilhasse a dificuldade em encontrar as palavras certas para enaltecer a grandeza de alguém tão especial. Todavia, versos carregadinhos de poesia tão bem se escreveu!

Com estas atividades, houve momentos de grande emoção, de partilha de gostos e de histórias dos alunos com o seu querido pai. Guardaram que ser pai é ser especial. É uma bênção! Não é tarefa fácil, não. Um desafio diário que enobrece!

UMA SANTA PÁSCOA!

Minimizar

Salta um coelhinho aqui… Salta um coelhinho acolá… Ops!!! Cá está um ovo de chocolate!!!! BRAVO, BRAVO!!!!

Dos placares, janelas e paredes saltam coelhinhos, nascem ovos de chocolate coloridos, crescem flores e brotam cenouras. Eis o Colégio de Santa Teresinha!

De forma muito colorida, criativa e expressiva os alunos do pré-escolar e do 1.º Ciclo embelezaram os corredores junto às suas salas.

Não faltou, também, a dimensão mais formal e religiosa desta quadra. A Páscoa dos Cristãos ocupa um grande número de placares que, mais do que tornar a escola bonita, procura transmitir uma mensagem, buscando o seu ensinamento.

A Páscoa é uma festividade religiosa que lembra a crucificação e festeja a ressurreição de Jesus. É, por excelência, uma época para celebrar a vida e transmitir a paz. Assim, se fazem trabalhos com as crianças, trabalhos que ensinam, trabalhos que desenvolvem capacidades e competências, trabalhos que encantam, trabalhos que embelezam e, sobretudo, trabalhos que despertam a vontade de caminhar no sentido da esperança que une e faz viver.

 

Votos de uma Santa Páscoa!

Como Ele deu a Sua vida por Amor…

Minimizar

A “Via Sacra” corresponde ao trajeto percorrido por Jesus carregando a cruz, desde o pretório, residência do comandante nas fortificações da Roma Antiga, até ao calvário, onde faleceu.

Simulando o percurso doloroso de Jesus e numa prática devocional que remonta ao século XI, os cristãos recriam o caminho doloroso de Jesus, orando e agradecendo a dádiva da nova vida, a dádiva da Ressurreição.

Esta prática de contemplação ocorre pelos dias da Quaresma e, fazê-la, permite-nos uma frutuosa meditação da paixão e morte de Jesus Cristo.

As Estações, passos ou etapas desta caminhada foram sendo definidos ao longos dos tempos e, no século XVI, elas eram catorze. Contudo, o Papa João Paulo II sugeriu que fosse criada uma décima quinta estação para recordar a ressurreição de Jesus.

Nesta caminhada, cultivam-se valores como a oração, a justiça, o perdão, a gratidão, o amor, a ajuda, a caridade, a persistência, a humildade, a resiliência, o respeito, a reconciliação, a generosidade, a fé e a esperança. Estes devem sustentar a vida humana e o crescimento espiritual interior. Assim foi no nosso Colégio! Recriando o Caminho de Jesus até ao calvário, os alunos dos 1.º e 2.º ciclos foram convidados a meditar sobre o sacrifício de Jesus e sobre a forma como Ele, generosamente, deu a vida por nós. Rezando, cantando e, sobretudo, agradecendo, foram percorridas as 15 estações.

 

“Pai nosso, que estais no céu, caminha connosco durante esta época de arrependimento. Aceita o nosso empenho: em mudar, em rezar, em fazer sacrifícios e realizar boas ações. Transforma o nosso egoísmo em generosidade. Abre o nosso coração à tua Palavra. Amém.”  

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

Minimizar

«Não há amigo tão leal quanto um livro.» (Ernest Hemingway)

Na certeza de que um livro é um amigo leal e verdadeiramente valioso, os alunos do Colégio de Santa Teresinha foram motivados para a participação na 14.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura.

Por mais que o tempo atual seja delicado, a celebração da leitura é essencial. Como tal, a festa aconteceu para todos os ciclos, a fim de os objetivos da iniciativa do Plano Nacional de Leitura serem cumpridos nesta escola da “Boa Mãe”: «estimular o gosto e o prazer da leitura para melhorar o domínio da língua portuguesa, a compreensão leitora e os hábitos de leitura».

Durante o mês de fevereiro, os alunos participantes dos 1.º e 2.º ciclos tiveram a oportunidade de mostrar, ao vivo, o seu talento na leitura expressiva de um poema e na apreciação crítica oral do mesmo. Os 27 participantes do 3.º ciclo foram orientados, a partir da plataforma “Teams”, para a execução de um vídeo criativo com a leitura e apreciação do texto selecionado. A sua produção em formato digital foi valorizada por um grupo de quatro jurados, em regime presencial. O júri, sempre constituído por um convidado exterior à escola, não teve tarefa fácil, pois, pequeninos em tamanho e idade, foram grandes a recitar e a argumentar. O importante, na verdade, é a experiência que fica e ensina.

Apurados foram, por fim, três participantes, ficando um como suplente, por cada nível de ensino. No momento, já pensam na fase regional que se realizará à distância, entre 13 de março e 26 de abril, com duas provas, uma de leitura expressiva de um texto poético e outra de argumentação, gravadas em formato audiovisual.

 

E, assim, se realizou a festa da leitura! Presencial ou não presencialmente, houve emoção e, pela leitura, é que vamos crescer e ser mais felizes! 

SENTIR A QUARESMA COM O CORAÇÃO

Minimizar

Durante uma das sua homilias, o Papa Francisco definiu Quaresma como «[…] uma viagem que envolve toda a nossa vida, tudo de nós mesmos. É o tempo para verificar as estradas que estamos percorrendo, para encontrar o caminho que nos leva de volta a casa, para redescobrir o vínculo fundamental com Deus, do qual tudo depende.».

É o tempo de perceber se o nosso leme nos leva a Deus!

Com o intuito de refletir, de fazer uma introspeção consciente e digna de uma vida abençoada com as graças do Senhor e de sensibilizar para a delicadeza do tempo religioso que se vive, os alunos dos 2.º e 3.º Ciclos do Colégio de Santa Teresinha, no âmbito da disciplina de Educação, Moral, Religiosa e Católica, dinamizaram uma exposição, sob o tema “Via Sacra”.

É tempo de preparação interna para comemorarmos a festa da ressurreição de Cristo, relembrando o seu sofrimento e morte.

É, assim, tempo de reflexão que antecede o crescimento da alma e que celebra a vida! 

DOS PALHAÇOS AOS CONTOS ENCANTADOS

Minimizar

Carnaval é festa, brincadeira, farra, folia, um grande divertimento. E, este ano, não foi exceção no Colégio de Santa Teresinha.

No pré-escolar, escolhido o tema “Palhaços”, máscaras, viseiras, chápeus e desenhos variados foram construídos e coloridos não só para uso próprio mas também para enfeitar placares.  Não faltaram os desfiles pela escola e as gargalhadas próprios do festim. Esta celebração serviu, ainda, de mote ao reconto de histórias, ora a partir de  fantoches, ora a viva voz com trajes adequados às personagens. Foi o caso da história de “Arlequim”, que muitos risos arrancou pelo seu jeito divertido de ser, nos seus retalhos multicores.

Junto do primeiro ciclo, a festa aconteceu com o nome “Carnaval encantado”. Responderam à chamada “Os Três Porquinhos”, “A Pequena Sereia”, “Os 101 Dálmatas”, “O Rei Leão”… Aproveitou, assim, o melhor dos contos encantados e, em sala de aula, adereços foram criados para, na sexta-feira, 12 de fevereiro, desfilar no pátio do edifício principal. Não esquecer que, no dia anterior, 11 de fevereiro, o penteado original fazia parte da agenda e muitos foram os que aderiram de forma exemplar.

Ressalve-se, por fim, todo o trabalho em prol do desenvolvimento da sensibilidade estética e artística operacionalizado na atividade extracurricular de expressão plástica junto das turmas de terceiro e quarto anos.  Seguindo um exemplo de uma máscara alusiva ao "Dia de Muertos", os alunos aplicaram várias técnicas de pintura, entre elas, marcadores/canetas de feltro, lápis de cor e guache.

 

Que este Carnaval em casa chega, igualmente, de grande alegria, entre malassadas, sonhos e folia!

DIA DO AMOR

Minimizar

 

Amizade, paixão, entusiasmo, brandura, delicadeza, zelo, afeto, afeição, contentamento, fogo, dor… Palavras que definem o amor, esse sentimento que, puro, também, é fero, já dizia o príncipe dos poetas, Luís Vaz de Camões. É feroz. É, na verdade, uma ligação intensa que deve preencher de coisas boas. Deve acrescentar para valer a pena. Eis o amor verdadeiro! Uma amizade calorosa que enriquece, eleva…

Para assinalar a efeméride do Dia de São Valentim, a 14 de fevereiro, os alunos do primeiro ciclo foram orientados pela disciplina de inglês para a escrita de um postal a um colega seu amigo. Até quinta-feira, 11 de fevereiro, colocaram a sua dedicação na “caixa do amor” e, na manhã seguinte, surpreenderam os seus amigos, com palavras de festa. Além dos alunos e dos professores, muito contribuiu o empenho do pessoal não docente na construção do marco de correio em cartão.

Os meninos do primeiro ano marcaram o seu compasso nesta festa do amor com os seus gnomos bem amorosos. Em cartolina colorida, construíram, na aula da “teacher”, pequenos génios do amor que presidem, no momento, os placares exteriores das suas salas. Vão desafiando quem lá passa a cultivar o amor.

Também, no ensino à distância, os alunos do oitavo ano escreveram a sua própria definição do sentimento «que dói, e não se sente». Perceberam que não é tarefa fácil. Valeu-lhes a inspiração de versos de grandes poetas e a animação de um texto fílmico.

 

Por vezes, faz sofrer, mas é o amor que dá vida e sentido ao caminho de cada um. Traz felicidade. Desperta! 

 

 

 

CRIAR E INOVAR EM TIC

Minimizar

Neste regime não presencial, criatividade e inovação não faltaram aos alunos do sétimo ano, na disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), na criação de um “banner” alusivo ao Carnaval e à Páscoa.

Assim, tendo em conta as Aprendizagens Essenciais da disciplina, os alunos puderam explorar ideias, desenvolver o pensamento computacional e produzir este artefacto digital criativo, recorrendo a estratégias e ferramentas digitais de apoio à criatividade.

Sob a orientação do professor, os alunos, em primeiro lugar, criaram e inovaram através da execução de um “banner”. Depois, cada aluno teve a oportunidade de votar nos artefactos digitais mais criativos da sua turma, a partir de um formulário disponibilizado na plataforma “Teams”.

Aqui, durante a celebração do Carnaval e da Páscoa, é possível desfrutar das imagens criadas e escolhidas pelos alunos, na parte superior deste “site”.

 

Criar e inovar para bem comunicar!

Viagem até Sintra

Minimizar

Em tempos de pandemia, temos de nos reinventar para manter a missão que nos move. Assim foi no dia 27 de janeiro quando conseguimos viajar até Sintra com todos os alunos do 9.º ano. Visitamos o “NewsMuseum” através do ecrã dos nossos computadores, numa visita virtual guiada pelas salas que contam parte da nossa história mais recente.

 Aprendemos sobre o jornalismo de guerra, sobre a forma de contar factos, sobre a informação desportiva, sobre a publicidade e sobre os meandros da propaganda. Vejam lá que até nos cruzámos com o José Rodrigues dos Santos. Foi, de facto, incrível!!!

Ao longo da visita, os alunos foram convidados a participar ativamente, respondendo a várias questões que suscitavam a curiosidade de continuar o percurso virtual. Conhecemos a realidade da liberdade de expressão no mundo atual, percebemos que tipo de programas têm maior audiência e observámos como os elementos culturais de um país podem ser divulgados através do jornalismo.

Valorizando os factos e a história da humanidade, considerando a verdade e o risco, descrevendo a criatividade e o empenho, o museu também presta uma linda homenagem aos jornalistas que arriscaram a sua vida, chegando mesmo a perdê-la, em prol da informação para o mundo.

 

A experiência será para repetir e deixou os nossos alunos bastante motivados num período em que ensinar é um dos maiores desafios, mas motivar para aprender é uma das maiores provações. 

UM MUNDO DE APRENDIZAGENS

Minimizar

Sejam números ou letras, elementos da Natureza ou estações do ano, o que interessa é aprender e aprender de forma feliz.

A Terra é um planeta fascinante, com segredos não revelados e com processos por descobrir. Assim, estão os nossos alunos do pré-escolar, descobrindo…

 

Descobriram sobre o ciclo da água, descobriram sobre o Inverno, descobriram sobre os números e descobriram sobre as letras. Cada desenho, cada rabisco, cada trabalho é um mundo de descoberta. É um mundo que se desvenda pelas mãos dos mais pequeninos e se transforma no seu interior. 

A NOSSA “BOA MÃE”!

Minimizar

Nunca as palavras da nossa (e)terna “Boa Mãe” fizeram tanto sentido como agora, nesta distância interpessoal, sem o conforto do sorriso, do abraço de quem se ama e se quer perto....  Chegam, assim, as suas palavras de conforto e de enorme esperança. Virtudes heroicas, outrora, aclamadas num tempo igualmente difícil em que as epidemias de varíola e de pneumónica assolavam esta bela terra.

Na senda desta generosidade imensa, celebrou-se, a 15 de janeiro de 2021, a fundação da Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, obra da Irmã Mary Jane Wilson, a humilde Serva de Deus.  Para a homenagear, os alunos do pré-escolar e do primeiro ciclo compuseram trabalhos criativos que ilustraram os placares junto das suas salas.

 

Por todos os madeirenses que persistem nesta adversidade na esperança de um tempo melhor. Ouvi-nos, “Boa Mãe”! 

RECEITA DE ANO NOVO

Minimizar

Com esperança e muito receio, lá iniciamos o tão desejado 2021. Na sala de aula, agora, em regime não presencial, também não faltaram as previsões para este novo ano, que se quer melhor que o anterior. Um ano com saúde. Com abraços. Afetos.

Entre outras atividades, os alunos do oitavo ano criaram o TOP 5 dos ingredientes essenciais para se confecionar um 2021 digno de se viver com alegria.

 

Por último, depois da leitura de “Receita de Ano Novo”, de Carlos Drummond de Andrade, calamidades à parte, registou-se que cada um tem de lutar para “ganhar” um ano novo. Para isso, é preciso lutar por ele e merecer, pondo em prática estes e tantos outros valores:  o trabalho, a responsabilidade e a honestidade.

EIS OS MENSAGEIROS DA ALEGRIA!

Minimizar

A construir um belo enfeite para o pinheirinho de Natal, estiveram os alunos do 4.º ano na atividade extracurricular de expressão plástica.

Recorrendo à técnica do acrílico, usaram, primeiro, o pincel para colorir um anjinho em gesso e a base em madeira. Nesta, utilizaram o acabamento em decape. Por fim, o feltro foi a opção escolhida para o suporte do trabalho realizado.

Tantos foram os ensinamentos colhidos neste projeto. Para além da técnica, confirmaram que os anjos são os mensageiros que anunciam o nascimento do Menino, sendo, por isso, figuras importantes do presépio. São portadores da alegria que tanto se quer nesta quadra e sempre.

 

O PAI NATAL CHEGOU AO NOSSO COLÉGIO

Minimizar

Os alunos do 2.º ciclo portaram-se muito bem este ano e o Pai Natal passou no Colégio!

Vivemos um Natal diferente, um Natal que mais do que presentes pede palavras de carinho, amor, confraternização, amizade e calor. Foi isso que nos trouxe o Pai Natal!

 No âmbito de uma atividade interdisciplinar, onde se juntaram as disciplinas de Educação Moral Religiosa e Católica, Português e Inglês, escreveram-se mensagens alusivas à época, expressando os mais profundos sentimentos que o momento nos suscita.

Pedimos ajuda ao Pai Natal e fez-se a partilha destas mensagens pelas diferentes turmas. Por entre excitação, gritos e palmas, lá se recebeu o nosso “Velhinho”, que trouxe consigo o correio de Natal.

         Também não faltaram os votos de Feliz Natal. Juntando as disciplinas de Cidadania e Desenvolvimento, Inglês e Português, percorrendo o mundo e culturas, escreveu-se “Feliz Natal” em 77 línguas diferentes.




Merry Christmas (english); Shubho Borodin (bengali); Hristos se Rodi (serbian); Chuc mung giang sinh (vietnamese); Nadelih looan na looan blethen novoeth (cornisch); God Jul (Norwegian);

 



                                                            Feliz Natal (portuguese)…

POSTAIS DE NATAL

Minimizar

Para entregar em mão ou enviar pelo correio, um postal pode marcar a diferença nesta quadra, em que temos de ser fortes e sensatos, pois a festa terá de ser feita com o menor número possível de familiares e amigos.  Porém, podemos acrescentar-lhe amor com uma palavra fraterna escrita num cartão cheio de cor.

Com o intuito de festejar o Natal, as disciplinas de português e de educação moral, religiosa e católica (EMRC), juntaram-se na construção, em sala de aula, de um belo postal de Natal. Primeiro, em português, depois da leitura de poemas de autores portugueses de renome, compuseram versos em que a palavra “Menino” se deveria sentir. Depois, em EMRC, com materiais diversificados, criaram um postal em cartolina, a partir dos versos compostos.

 

Desta forma, com arte e poesia, fomentou-se o gosto pelo envio de um cartão ilustrado. Que volte esta tradição a arrancar sorrisos e lágrimas, à distância de um abraço, neste tempo de esperança.

VIVER O ADVENTO

Minimizar

Nesta quadra de Natal, a celebração foi também realizada com a lição do Advento junto dos meninos do segundo ciclo.

Aprenderam, assim, que  o Advento  é o primeiro tempo do ano litúrgico, correspondente às quatro semanas que antecedem o Natal. É um tempo de preparação, de alegria e de esperança, onde os cristãos, a aguardar a vinda do Menino, reconhecem a sua fragilidade, pedem perdão e promovem a fraternidade.

Depois desta aprendizagem, nas aulas de formação pessoal e social, enfeites foram criados em cartolina para embelezar duas árvores de Natal.

Que a gratidão própria deste tempo de preparação perdure ao longo de 2021.

O PILAR FUNDAMENTAL PARA A PAZ

Minimizar

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”, artigo 1.º da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Os direitos humanos encontram a sua origem na trilogia que sustentou a Revolução Francesa de 1789, “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.  Na luta por um mundo mais justo e igual, na sede de garantir a dignidade da família humana, no desejo de que a justiça e a paz sejam valores perenes no mundo atual, muitos foram os que lutaram para garantir direitos iguais e inalienáveis, fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo.

Torna-se, por isso, muito importante que as novas gerações percebam a magnitude desta Declaração, que, em 30 artigos, consegue garantir a dignidade humana, desde que todos, sem exceção, se comprometam com os seus princípios, valores e ações.

Cumprida a missão da Escola no que respeita à transmissão de valores e ao reforço de comportamentos solidários e de valorização humana, os alunos dos 5.º e 6.º anos analisaram, na disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, a Declaração Universal dos Direitos do Homem, daqui resultando trabalhos que refletem a posição e consciência da nossa comunidade educativa. E porque um dos objetivos desta disciplina é a partilha de saberes com toda a comunidade educativa, os trabalhos encontram-se expostos, ilustrando de forma colorida os nossos placares.

Este é o nosso contributo para que as novas gerações façam das orientações desta Declaração Universal uma prática verdadeiramente mundial.

 

 

Juntos vamos construir um mundo melhor…

O NATAL ESTÁ MESMO A CHEGAR…

Minimizar

Por todo o Colégio de Santa Teresinha, já é Natal! A toda a hora se acrescentam enfeites, se entoam canções ao Deus Menino, se escuta a expressão “Feliz Natal!”.  Esta semana foi tempo de decorar os nossos placares e corredores com os trabalhos dos alunos da pré e do 1.º ciclo.

Não falta o presépio, os postais de Boas Festas, as árvores de Natal e as estrelas que nos guiam nesta quadra tão importante e com tanto significado para nós, o nascimento do Menino Jesus.

Trazendo um pouco de cultura popular, lá está a típica lapinha madeirense, mostrando aos nossos alunos o que há de mais característico da nossa terra.

Animemo-nos, o Deus Menino vai nascer!!!

Natal significa nascimento e nós nascemos todos os dias, sempre que acreditamos que a vida acontece em cada momento, em cada experiência, em cada desafio…

 

Feliz Natal!

PARTILHAR SAIAS DE BALÃO – NA ILHA DA MADEIRA

Minimizar

Na sequência da leitura e do estudo da obra Saias de Balão, do escritor madeirense, Ricardo Nascimento Jardim, esta semana, os alunos finalistas do nono ano receberam na sua sala de aula, o Dr. Carlos Diogo Pereira, responsável pelo Serviço Educativo do Colégio dos Jesuítas, e o Dr. Paulo Rodrigues, professor de História na Universidade da Madeira e escritor do prefácio do livro em destaque.

Com esta visita, os alunos reviveram os espaços e as personagens que fazem deste romance histórico uma obra interessante e rica de saberes no que toca à sociedade funchalense no século XIX e ao Liberalismo na Madeira. Das classes abastadas e classes humildes, dos bairros às quintas, muito se conheceu, leu e releu neste romance onde o registo escrito de sotaques e expressões madeirenses dão alguma graça. Também tiveram a oportunidade de conhecer o processo da escrita de um prefácio que requer um trabalho minucioso de pesquisa, leitura e releitura da obra.

Para além da lição de Saias de Balão, estes dois convidados, no seu grandioso discurso, estimularam o gosto e o prazer da leitura e os hábitos de leitura. Entre outras obras, realçaram a qualidade de Uma Família Madeirense, de João França, e de Ascensão e Queda das Grandes Potências, de Paul Kennedy, como resposta ao desafio “Um livro da minha vida”.

 

Continuemos, assim, a ler e a partilhar autores madeirenses!

CHOVE. É O NATAL A CHEGAR!

Minimizar

 

Sob um fim de semana frio, cá se montou o presépio para celebrar a quadra cristã mais bela, o Natal. O nascimento de Jesus em Belém. O Menino escolhido para salvar o mundo.

Como é costume, no segundo andar do edifício principal, é possível admirar este trabalho colaborativo, onde não faltam as figuras principais do presépio, ricas em brilho e cor, afagadas por cânticos de Natal, a lembrar que é tempo de fraterna comunhão. É tempo delicado… Porém, o amor ao próximo deve dominar a festa em cada altar.

Traga o Natal 2020 a luz que tanto se precisa! A saúde, paz e bem!

PELA NOSSA MÚSICA…

Minimizar

Na promoção da música portuguesa, contribuiu o projeto de educação musical, “A nossa música”, junto dos alunos do sexto ano. Estes, criativamente, elaboraram cartazes alusivos a um artista português da sua preferência, na área da música.

Muitos foram os nomes homenageados, a evidenciar:  Amália Rodrigues, Ana Moura, Agir, João Pedro Pais, Diogo Piçarra, Xutos e Pontapés, Anjos, Carlos Paião, Carolina Deslandes.    

E, desta forma, com a vida e a obra de artistas, fez-se a revisão dos benefícios da nossa música na aprendizagem, na comunicação e na linguagem. Também se aprendeu que, para um percurso de sucesso, o sonho, a determinação e o trabalho não podem faltar.

 

Ouvir música para conquistar saúde e bem-estar!        

SANTA CECÍLIA, A PADROEIRA DA MÚSICA

Minimizar

Orientados pela disciplina de educação musical, os alunos do quinto ano de escolaridade foram motivados para a execução de trabalhos apelativos acerca da vida de Santa Cecília, a padroeira da música.

Entre outros dados pertinentes, deram a conhecer que a Santa Cecília era a santa da Igreja Católica com mais basílicas e igrejas na Europa, sendo a padroeira da música sacra, dos músicos e dos poetas. Segundo registos, esta Santa havia cantado a Deus enquanto morria martirizada e, após resistir aos golpes no pescoço, os seus cânticos ainda se ouviam.

E, assim, a vida de Santa Cecília, a padroeira da música, iluminou o terceiro andar do edificío principal, numa criativa exposição.

 

UM PENTEADO À MANEIRA...

Minimizar

Também nas atividades extracurriculares muito cá se faz em prol do crescimento integral dos alunos.

Nesse sentido, entre outros objetivos, os alunos do 4.º ano foram motivados, na Expressão Plástica, a criar um penteado para o seu rosto em fotografia.

Aplicando a técnica do lápis de cor e marcadores/ canetas de feltro, elaboraram um trabalho bastante sugestivo. Este será a capa do dossiê onde as tarefas desenvolvidas ao longo do ano serão arquivadas.

 

Com arte e cor, criam e crescem os alunos em valor!

 

 

TERRA À VISTA!

Minimizar

 

Por entre mares e oceanos, correntes e ventos, terras e constelações, a bravura dos portugueses fez-nos conhecer o mundo.
Sonhos dos reis concretizados na procura de afirmação política, na conquista de riquezas para alimentar o seu povo, na vontade de cristianizar.

Descer o Atlântico, reconhecer as ilhas, desbravar a costa africana, passar o Cabo das Tormentas... Venha Vasco da Gama que, em nome de El-Rei de Portugal, descobriu o caminho marítimo para a Índia.


Infante D. Henrique, João Gonçalves Zarco, Diogo de Silves, Pedro Álvares Cabral, Diogo Cão e muitos outros que, na sede de conquistar, rasgaram oceanos com naus e caravelas, enfrentaram o medo e os monstros que julgavam existir.

Foi neste espírito de conquista, enaltecidos pelo orgulho de serem portugueses, que os alunos do 8.°ano abordaram, na disciplina de história, o tema da “Expansão Europeia”. Daqui resultaram vários trabalhos que contam as viagens, as descobertas, os feitos, mas, também, testemunham as amarguras das principais nações que se deram à descoberta do mundo. Toda esta ação com a sua partilha enriqueceu saberes e estreitou laços, com a certeza de que muitos marinheiros gritaram: "TERRA À VISTA!".

 

OUTONO EM DECÍMETROS QUADRADOS

Minimizar

1m2=100dm2

 

Aliando a ciência do cálculo, a matemática, ao outono, os alunos do quarto C criaram um painel, com um metro de lado, de tons característicos da estação, segundo a lição do metro quadrado.

Cada aluno partilhou o decímetro quadrado que ilustrou na educação plástica para a construção do painel. Aprendeu que cada metro quadrado é formado por 100 quadrados mais pequenos que têm 1 decímetro de lado. Registado ficou que 1 m2 = 100 dm2, entre a magia da estação que antecede a quadra do Menino.

E assim se consolidou, sob cores amarelecidas e folhas caídas, que a unidade principal das medidas de área é o metro quadrado.

 

PROJETO “O PONTO E A LINHA NO ROSTO DOS POETAS”

Minimizar

De mãos dadas uma vez mais, em prol da excelência e da exigência num percurso centrado no sucesso dos alunos, o português e a educação visual dedicaram-se à implementação de um projeto em que os alunos do oitavo de escolaridade, partindo do conhecimento do rosto, da vida e da arte de poetas, escritores portugueses e estrangeiros, criaram um desenho com pontos e linhas e um texto em verso.

Em dezembro, os alunos terão, ainda, a oportunidade de apresentar, oralmente, todo o trabalho de pesquisa realizado neste âmbito. E, assim, também se contemplará o domínio da oralidade.

Colaborativamente, alunos e professores partilham saberes, arte e poesia!

PÃO POR DEUS COM CASTANHAS “QUENTES E BOAS”!

Minimizar

 

Este ano, sem o habitual magusto com direito a saltar à fogueira, a festa cá se fez. Com alegria, cartuchos recheados de castanhas assadas, acabadas de sair de assadores, e com iguarias características da época em saquinhos de pão por Deus.

Para que a festa se fizesse com alma, muito foi o trabalho orientado em cada sala de aula dos alunos do primeiro ciclo. Primeiro, foram as boas-vindas à estação do outono; depois, foi a lição sobre o ritual do Pão por Deus, a anteceder o Dia de Todos os Santos, o dia dos cristãos de feitos heroicos, a celebrar-se a 1 de novembro. Com estes ensinamentos, trabalhos criativos enfeitam os corredores e as salas de aula com cor e poesia.

Com castanhas e alegria, assim se aqueceu a alma num tempo de esperança, de fé…

 

Halloween

Minimizar

 

A assinalar a celebração do Dia das Bruxas, os meninos do primeiro ciclo, orientados pelas professoras de inglês, compuseram e pintaram desenhos inerentes à festa do mundo anglófono.

Na sua simplicidade e criatividade, muitos foram os trabalhos coloridos que enfeitaram os corredores, motivando para o conhecimento da cultura inglesa. Nesse sentido, os alunos dos primeiro e segundo anos empenharam-se em trabalhos para os seus placares; os alunos do terceiro ano construíram e ilustraram uma abóbora em cartolina; os alunos do quarto ano coloriram máscaras e elaboraram um porta-lápis alusivo à temática.

Doces e nada de partidas a marcar a festividade!

 

PELOS DIREITOS DAS CRIANÇAS!

Minimizar

 

No âmbito das áreas de Educação Moral e Religiosa e de Cidadania e Desenvolvimento, os alunos do terceiro ano abordaram a temática sempre atual dos Direitos da Criança.

Depois de registarem um dos direitos no logotipo para os direitos humanos, deram asas à sua imaginação e, com as suas mãos, imprimiram a sua criatividade na pintura do mesmo.

Assim se invocou e conheceu a Convenção Internacional dos Direitos da Criança, garantindo-lhes que a sua proteção era um dever a cumprir. Entre o direito à família, à saúde e à educação, sublinhou-se o direito de brincar. O direito de ser feliz. Ser criança!

Com direito a distinção, as crianças de terceiro ano aqui partilham a sua arte!

 

A ESTIMULAR O GOSTO E O PRAZER DA LEITURA…

Minimizar

Do verso à prosa, os alunos do quarto ano estudaram, em outubro, o texto literário a partir de obras de autores portugueses, a saber: Versos de Cacaracá, de António Manuel Couto Viana, e História com recadinho, de Luísa Dacosta.

Primeiro, conheceram as histórias contadas em verso, sob a alegria das imagens de Vasco Gargalo. Muitas atividades foram operacionalizadas em sala de aula. Entre outras, a recriação da capa do livro; a declamação de poemas; o desenho de um camaleão, na sequência da leitura expressiva do poema “Originalidades"; a redação de poemas à maneira do poema “Quem sou eu”. Com empenho, dedicação e muita criatividade, os alunos entraram num mundo cheio de cor e magia, habitado por seres divertidos, extrovertidos, assustados, extremamente emotivos, a desafiar miúdos e graúdos.

A narrativa em prosa chegou na voz de uma bruxinha que tenta, na sua inocência, mudar o mundo dos homens. O preconceito quer apagar com alegria e coração. Eis, então, a História com recadinho, criativamente, ilustrada por Cristina Valadas. Os alunos, mais uma vez, empenharam-se nas diversas tarefas orientadas. Começaram pelo estudo da biobibliografia da autora; ouviram a história; resolveram exercícios de compreensão oral; desenharam a personagem principal; preencheram, cooperativamente, a ficha de leitura.

Além desta prática orientada em sala de aula, os alunos foram motivados a realizar outras leituras de forma autónoma, com o intuito de melhorar o domínio da língua portuguesa, a compreensão leitora e os hábitos de leitura. Houve, nesse sentido, espaço para o reconto oral.

E, assim, com textos animados, cheios de ritmo e cor, com muita alegria e humor à mistura, e com ações estratégicas diversificadas, os alunos aprenderam a distinguir o texto poético do texto narrativo, elevando, com efeito, os seus conhecimentos a nível da educação literária.

A ler, ganhamos, partilhamos e somos mais felizes!

 

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

Minimizar

A 16 de outubro, com o objetivo de consciencializar os alunos para a importância da adoção de hábitos alimentares saudáveis, como promoção da saúde, entre outras questões relativas à nutrição e à alimentação, as turmas do quarto ano confecionaram doces iguarias, depois do registo do texto instrucional no caderno diário, sob um trabalho colaborativo entre as diversas áreas do saber.

Para trabalhar medidas de capacidade, a turma A preparou, primeiro, gelatina de morango, aplicando os conceitos de matemática. Depois, confecionou doce de abóbora e de maçã para deleite de todos. A realçar que a doce e suculenta abóbora foi semeada e colhida na horta pedagógica do colégio.

Já os alunos da turma B fizeram crepes a partir da receita registada, respeitando as medidas de massa e de capacidade dos ingredientes. Por fim, degustaram os crepes que, preparados com tanto carinho, tanta alegria e sabedoria trouxeram!

A efeméride foi celebrada na turma C com a confeção de gelatina de frutos vermelhos e de frutos tropicais. Foi registo a colaboração e o entusiasmo de todos.

A assinalar esta festa, os meninos do pré-escolar também compuseram as suas iguarias, privilegiando-se, uma vez mais, uma alimentação saudável, pautada por valores de partilha.

E, assim, entre doces, também se falou na importância da solidariedade na luta contra a fome, a subnutrição e a pobreza.

 

Pela partilha é que vamos,

A comer bem, vivemos todos bem!

DOMINANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS

Minimizar

 No mundo atual, torna-se importante dominar as novas tecnologias. Brincando e aprendendo, os nossos alunos do pré-escolar têm feito trabalhos enriquecedores, utilizando novas ferramentas tecnológicas.

Este trabalho contínuo nas salas de aula tem como objetivo socializar os alunos com novos equipamentos, mas, e sobretudo, permitir trabalhar a utilização correta e eficiente destas novas tecnologias e aplicações. 

 

O OUTONO CHEGOU!

Minimizar

Os alunos do pré-escolar deram as boas vindas ao outono! Foram muitas as atividades que permitiram explorar esta estação do ano e que resultaram em trabalhos de muita cor, de muita brincadeira e, sobretudo, de muita aprendizagem.

 

Respeitar a Natureza e protegê-la foram os valores mais trabalhados nestas atividades, sabendo que as nossas crianças levarão esta mensagem ao mundo e serão embaixadoras de um mundo melhor. 

UM NOVO ANO NO PRÉ-ESCOLAR…

Minimizar

 

 

 

 

Os nossos super-heróis do pré-escolar estão prontos para arregaçar as mangas e começar o seu trabalho. Muitas atividades, experiências e brincadeiras os esperam.

Trabalhar os sentidos, o conhecimento e as emoções vão ao encontro de um ano diferente, mas igualmente enriquecedor.

DA REDE AO TUK TUK

Minimizar

Escolher um meio de transporte, enumerar vantagens e realçar a sua importância para o turismo na Região Autónoma da Madeira são algumas das ações que os alunos do nono ano estão a operacionalizar no âmbito do projeto de geografia “A evolução dos transportes na RAM”.

Nesse sentido, os alunos, em sala de aula, foram estimulados a construir um trabalho em cartolina, com materiais variados, alusivos à temática. Não faltaram nesta pequena amostra o carro de bois, o comboio do Monte, o automóvel, o autocarro, entre outros de relevo para a região.

E, assim, nesta pesquisa e caracterização, os alunos ganham conhecimento para divulgar acerca da sua terra, no compromisso de, um dia, a promover como destino turístico de excelência.

 

Festa de Santa Teresinha

Minimizar

A sua vocação cedo conheceu, viveu a sua vida em humildade, simplicidade e confiança plena em Deus.

Rendidos ao exemplo de entrega que foi a vida de Santa Teresinha, os alunos de cada ciclo rezaram e entoaram preces à sua (e)terna padroeira.

Nesta partilha tão grandiosa, a “Prece à Santa das Rosas” marcou a manhã de 1 de outubro, não fosse este tempo propício a uma prece. Preces, assim, houve dirigidas ao vivo junto da estátua de Santa Teresinha, flores coloridas, palavras escritas e afixadas. E cânticos a Santa das Rosas tão bem se entoaram!

E, por fim, neste louvor diferente de outrora muito se aprendeu… Com pequenos gestos, um olhar, uma palavra, conseguimos provar o nosso amor, fazer a diferença!

 

 Ó Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós! Cuida de nós! 

Parlamento JOVEM Regional - 2020/2021

Minimizar

Sob o mote de incentivar os jovens para uma participação cívica e política mais ativa, eis o Parlamento Jovem Regional no nosso colégio, projeto da Direção Regional da Educação, promovido pela Secretaria Regional de Educação, Ciência e Tecnologia em parceria com a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira.

Partindo da temática “Segurança Social”, com a coordenação da professora Ana Joana Silva, os alunos terão a possibilidade de simular um processo legislativo. Primeiro, farão a pesquisa e a reflexão acerca do tema proposto; seguidamente, elaborarão um projeto de recomendação com medidas legislativas em sala de aula; por fim, haverá a eleição de representantes para a apresentação e defesa de ideias na Assembleia Legislativa Regional.

Educar para a cidadania, no exercício do debate democrático, em respeito pela diversidade de opiniões e pelas regras de formação das decisões, é imperativo! Sejamos, assim, cidadãos participativos por uma sociedade mais justa e inclusiva!

Recomeçar

Minimizar

E foi há um mês que iniciamos este ano letivo. Um ano diferente. Uma caminhada de esperança. Um tempo para reaprender tantas coisas. O valor da saudação. Gratidão…

Acolhidos foram, assim, os alunos por cores, sorrisos e abraços reinventados. Por palavras de fé, muitas proferidas em sala de aula, outras em destaque em placares e paredes agora dotadas de vida. Com afeto e coração, cá estamos.  Sob o olhar terno da nossa fundadora, a Irmã Mary Jane Wilson, e atento da padroeira deste tão nosso lar, Santa Teresinha, seguimos pelo sonho. E somos família!

Aqui, neste espaço, comprometemo-nos a partilhar vivências, aprendizagens e emoção resultantes de atividades. Momentos a registar.

 

Obrigado pela vossa confiança. Bem-haja!

© 2021 Colégio Santa Teresinha