Mensagem

Minimizar
                
    

CONSELHO EXECUTIVO a que presido assume a responsabilidade de tornar a nossa escola num estabelecimento de ensino de qualidade, reconhecido por toda a comunidade escolar e sociedade exterior.

Ao longo dos próximos quatro anos, ambicionamos desenvolver um trabalho em harmonia com todos os sectores da comunidade escolar, nomeadamente professores, alunos, funcionários, encarregados de educação, e também com parceiros culturais e sociais envolventes à escola. O sucesso do nosso trabalho depende de todos nós. Tudo faremos para que a nossa escola seja um espaço onde os alunos, pessoal docente e não docente se sintam satisfeitos e motivados para desempenhar o seu trabalho de um modo exemplar. Valorizaremos o trabalho de todos, reconhecendo o empenho e a entrega de todos, em prol do sucesso dos nossos alunos.

Não há dúvida de que os alunos representam o foco central da nossa actuação, pelo que as nossas estratégias de actuação, as medidas educativas implementadas, as actividades realizadas, terão como propósito lhes garantir um ensino de qualidade.

Ambicionamos uma escola para todos, uma escola onde se consiga conciliar a eficiência da gestão com o sucesso dos alunos e o bem-estar de toda a comunidade escolar.

 

O Presidente do Conselho Executivo  Rui Caetano 

  

     

 Setembro 2010

 

 

 

 

 

 

 

 

 

     
 

 

Patrono

Minimizar
    

Gonçalves Zarco, descobridor oficial do Arquipélago da Madeira, em 1419, é a personalidade-patrono da Escola, facto que remete o universo de referência da mesma para o imaginário da descoberta e da superação e que identifica este espaço com os ideais humanistas do século XV. Era natural de Tomar, filho de Gonçalo Esteves e de D. Brites, filha de João Afonso, vedor da casa de D. João I. Cavaleiro da casa do Infante, distinguiu-se no cerco de Tânger, na conquista de Ceuta e, como navegador, foi o primeiro capitão que usou da pólvora e da artilharia no mar. Em Tânger mostrou-se tão valoroso e esforçado que inspirou a maior admiração e estima nos príncipes D. Henrique e D. Fernando, filhos de D. João I, pagando a sua valentia e atrevimento guerreiro com a perda de um olho ferido de um virotão, pelo que o apelidaram de Zargo, nome que lhe ficou para sempre “por insígnia e honra de sua cavalaria”, por cujos feitos salvou o Infante D. Henrique das mãos dos mouros. Fez aprendizagem náutica na Escola de Sagres e o tirocínio para navegador nas viagens costeiras de África. Casou com Constança Rodrigues de Sá, filha do ilustre representante de Portugal em Roma. As mais autorizadas investigações históricas dão-lhe a idade de cerca de trinta anos quando descobriu o arquipélago da Madeira. Administrou a capitania do Funchal durante mais de quatro décadas. Aceita-se 1467 como a data do seu falecimento, encontrando-se sepultado na Igreja de Santa Clara, mosteiro de freiras da Regra desta invocação e Ordem de São Francisco, edificado pelo seu filho João Gonçalves da Câmara, segundo capitão donatário do Funchal.

 

 

 In Eduardo C. N. Pereira, Ilhas de Zargo, Funchal, Vol. I, 1989.

 

 

 

 

     

      

 

 

 

     

 

Hino

Minimizar

LETRA DO HINO DA ESCOLA GONÇALVES ZARCO

(Sê o Sonho Ganhador!)

 

Abre o baú da memória

Zarco em arte e rumo certo

Põe a vontade a descoberto

Outros mares, futura glória

Vence a inércia e o deserto!

 

REFRÃO:

Leveda o engenho, marinheiro

O saber é um outro mar

Há nova expedição por ganhar

Inova e sê o primeiro!

 

Pinta uma roda de afetos

Com laços de sol e de sal

Dá força ao teu ideal

E vence os dias cinzentos!

Acende novos talentos

Torna o sonho Universal!

 

Sê a barca da mudança

Feita de orgulho e labor

Crê! Sê o sonho maior!

Faz da espera… esperança

E não percas o fulgor!

 

Sê a barca da mudança                               

Sê o sonho ganhador

Nunca percas o fulgor!

 

ANTÓNIO CASTRO

 

 

 

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco