terça-feira, setembro 27, 2022

Horário de funcionamento

A biblioteca encontra-se aberta todos os dias úteis no seguinte horário:

  • 8:00h -18:00h
  • 19:00h - 21:00h

 Equipa técnica

  • Leonardo Fernandes (Técnico Superior)
  • Luísa Sardinha (Técnica Superior)
  • Virgínia Nóia (Técnica Superior)

Jornal Escola

Minimizar

Selecione no menu Categorias, por ano letivo, para conhecer as várias edições do Jornal Escolar “Virtualmente”.

Procurar
Virtualmente N.º 3
Thumbnail

 Maio 2014



Tamanho 3311 K
Downloads 34
Data qua 10-21-2015 @ 09:14
Autor Élia Freitas
Email
    DESCARREGAR

< ANT  1 de 3  SEG >

Noticias

Bem-Vindos à Escola! - 20 de setembro de 2022

  Bem-Vindos à Escola!

Iniciou-se mais um ano letivo no dia 9 de setembro. O regresso trouxe a todos novas expetativas, novas descobertas, novas aprendizagens. De forma a contornar as dificuldades que vão aparecendo, é necessário perseverança, dedicação e empenho.

A equipa da biblioteca deseja a toda a comunidade educativa os maiores sucessos.

 

 

Autor do Mês - 20 de setembro de 2022

 Autor do Mês

Luísa Ducla Soares

 

Luísa Ducla Soares é uma escritora portuguesa nascida a 20 de julho de 1939, em Lisboa, autora de literatura infantojuvenil. Licenciada em Filologia Germânica, trabalhou como tradutora e jornalista, mas destaca-se essencialmente pela sua dedicação à literatura infantil. Recebeu vários prémios, como o Prémio Calouste Gulbenkian, atribuído ao melhor livro de literatura infantil (1984-1985) por 6 Histórias de Encantar, e o Grande Prémio Calouste Gulbenkian, atribuído ao conjunto da sua obra (1996). Em 2009 foi distinguida com a Medalha de Honra da Sociedade Portuguesa de Autores e no ano seguinte foi candidata de Portugal ao Prémio Ibero-Americano SM de Literatura Infantil e Juvenil. É uma referência nacional a nível da literatura para crianças e jovens.

 

 

Sugestão de Leitura para Férias - 27 de julho de 2022

 Sugestão de Leitura para Férias

Sul ,Viagens-Miguel Sousa Tavares

Outro Pé da Sereia_Mia Couto

A Substância do Amor-José Eduardo Agualusa

O Diário de Um Mago-Paulo Coelho

A  Senhora e a Ilha-Alberto João Jardim

Uma Abelha na Chuva-Carlos de Oliveira

Alice No País das Maravilhas-Lewis  Caroll

A Volta ao Mundo em 80 Dias-Júlio Verne

As Viagens de Gulliver -Luísa Ducla Soares

Uma Aventura na Praia-A.M. Magalhães/ Isabel Alçada

Una Aventura nas Férias Grandes-A.M.Magalhães/Isabel alçada

História de uma Gaivota e de o Gato que a Ensinou a Voar-Luìs Sepúlveda

 

 

 

 

A Biblioteca Sugere - 27 de julho de 2022

 A Biblioteca Sugere: A Soma dos Dias-Isabel Allende 

Nas páginas deste livro, Isabel Allende narra com franqueza a história recente da sua vida e da sua peculiar família na Califórnia, numa casa aberta, cheia de gente e de personagens literárias. Filhas perdidas, netos e livros que nascem, êxitos e sofrimento, uma viagem ao mundo dos vícios e outras a lugares remotos do mundo em busca de inspiração, juntamente com divórcios, encontros, amores, separações, crises matrimoniais e reconciliações.

A soma dos dias é também uma história de amor entre duas pessoas que ultrapassaram muitos obstáculos sem perderem a paixão nem o humor, e de uma família moderna ameaçada por conflitos e unida, apesar de tudo, pelo carinho e pela decisão de continuar em frente - uma família que descobrimos em Paula e que descende das personagens de A casa dos espíritos.

 

Autor do Mês - 7 de julho de 2022

 Jorge Amado

Jorge Amado nasceu em Pirangi, Baía, em 1912 e faleceu a 6 de agosto de 2001. Viveu uma adolescência agitada, primeiro, na Baía, no início dos seus estudos, depois no Rio de Janeiro, onde se formou em Direito e começou a dedicar-se ao jornalismo. Em 1935 já se tinha estreado como romancista com O País do Carnaval (1931), Cacau (1933), Suor (1934), seguindo-se Terras do Sem Fim (1943) e S. Jorge dos Ilhéus (1944).  Em 1951 recebeu o Prémio Estaline, com a designação de "Prémio Internacional da Paz". Na sua obra foca-se nos problemas sociais revelando o seu talento.  Além das obras já citadas, referimos, na sua vasta produção: Jubiabá (1935), Mar Morto (1936), Capitães da Areia (1937), Seara Vermelha (1946), Os Subterrâneos da Liberdade (1952). Mas é com Gabriela, Cravo e Canela (1958), Os Velhos Marinheiros (1961), Os Pastores da Noite (1964) e Dona Flor e os Seus Dois Maridos (1966) em que o romancista se volta para as temáticas da infância, da música, do misticismo , da turbulência popular e da vagabundagem, numa linguagem  poética e humorista. Foi-lhe atribuído o Prémio Camões em 1994.É uma referência da literatura brasileira de expressão portuguesa.

 

 

Autor do Mês: Maria Teresa Gonzalez - 8 de junho de 2022

 Autor do Mês: Maria Teresa Gonzalez

Maria Teresa Maia Gonzalez nasceu em Coimbra, em 1958. É licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Variante de Estudos Franceses e Ingleses – pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa.

Foi professora de Português, Inglês e Francês, no ensino particular e público, entre 1982 e 1997, em Alverca do Ribatejo, Manique e Lisboa.

Muito cedo sentiu despertar o gosto pelas histórias ouvidas e lidas em família. Com cerca de 9 anos de idade começou a sentir o gosto pela escrita, escrevendo poemas e histórias com regularidade. Iniciou a sua carreira na escrita em 1989, quando ainda era professora.

Da sua obra constam sobretudo romances juvenis, sendo também da sua autoria histórias infantis, fábulas, poesia, contos, crónicas, ficção para adultos e uma coleção juvenil de peças de teatro.São temáticas recorrentes nos seus livros os direitos das crianças, a espiritualidade e os problemas da adolescência, nomeadamente, a solidão, as perdas, a depressão, os conflitos familiares, as dependências químicas, a violência em meio escolar, a violência doméstica, a sexualidade e a afetividade.Foi a autora portuguesa nomeada para o Prémio  Alma  2016, 2017, 2018 e 2019 (estas duas últimas nomeações foram feitas pelo próprio Júri Internacional do Prémio Alma).


Foi a autora portuguesa nomeada para o Prémio Ibero-Americano de Literatura Infantojuvenil, em 2017.

Várias dezenas de títulos desta autora constam do Plano Nacional de Leitura.

 

 

5 de Junho-Dia Mundial do Ambiente - 6 de junho de 2022

5 de Junho-Dia Mundial do Ambiente

Decorreu na biblioteca uma atividade relacionada com a poesia visual no âmbito da disciplina de português. Participou neste evento a turma do 6 º C, acompanhada pela professora Helena Rocha. Esta atividade  teve como finalidade fomentar o gosto pela poesia e ao mesmo tempo sensibilizar os alunos para a proteção do meio ambiente. . Foi feita uma exposição na vitrine com estes trabalhos para comemorar o Dia Mundial do Ambiente que teve lugar a 5 de junho. 

 

1 de junho-Dia Mundial da Criança - 1 de junho de 2022

 1 de junho-Dia Mundial da Criança

A1 de junho comemora-se o Dia Mundial da Criança. Este dia foi estabelecido pela Assembleia Geral da ONU em 1989, pela necessidade de defender os direitos da criança no que concerne à educação, saúde, segurança,,entre outros.Deste modo, a criança deve crescer num ambiente de dignidade, harmonia, amor e compreensão.Para assinalar esta efeméride, a biblioteca fez uma exposição no placard e decorou a árvore com livros alusivos à infância. 

 

Visita dos Alunos do 4º Ano à Biblioteca - 26 de maio de 2022

 Visita dos Alunos do 4º Ano à Biblioteca

Decorreu nos dias 18, 24 e 25 de maio uma visita dos alunos do 4º ano da Escola Básica do 1º Ciclo de Santa Cruz à biblioteca da nossa escola .Vieram três turmas  acompanhadas pela  professora da biblioteca, Sílvia Caldeira, com o intuito de conhecer o funcionamento deste espaço.Foi feita uma visita guiada e contada a história  " Aladdin e o Pequeno Dromedário Branco".Os alunos mostraram-se muito interessados e participativos.

 

 

 

 

Autor do Mês-José Saramago - 11 de maio de 2022

 Autor do Mês-José Saramago

 

José Saramago nasceu na Azinhaga do Ribatejo, no concelho da   Golegã, distrito de Santarém no dia 16 de novembro de 1922. Filho de camponeses, com dois anos de idade mudou-se com a família para Lisboa. Estudou na   escola técnica onde concluiu o curso de serralheiro mecânico. Trabalhou como serralheiro, foi funcionário público na área da saúde e da Previdência Social. Autodidata, adquiriu grande cultura na literatura, filosofia e história. José Saramago estreou-se   na literatura com o romance “Terra do Pecado” (1947). Foi diretor literário de uma editora, jornalista e tradutor. Colaborou com vários jornais e revistas, entre eles, o Diário de Lisboa, A Capital e a Seara Nova, onde exerceu a função de cronista. José Saramago   foi um importante escritor português. Destacou-se como romancista, teatrólogo, poeta e contista. Recebeu o Prêmio Nobel da Literatura   e o Prêmio Camões.

 

 

 

 

 

Palestra sobre o Dia Mundial da Língua Portuguesa - 6 de maio de 2022

 Palestra sobre o Dia Mundial da Língua Portuguesa-5 de Maio

Decorreu  no dia 6 de maio, na biblioteca  da escola, uma ação de sensibilização sobre a lusofonia,  para comemorar o Dia Mundial da Língua Portuguesa. Este evento teve como oradoras as doutoras Helena Pestana  e Marisa Sá.A turma participante foi o 8ª  F acompanhado pela professora Sónia Figueira no âmbito da disciplina de português.

 

Dia Mundial da Língua Portuguesa-5 de Maio - 5 de maio de 2022

 Dia Mundial da Língua Portuguesa-5 de Maio

Comemora-se a 5 de maio  o Dia Mundial da Língua Portuguesa.Esta efémeride é transversal a todos os países lusófonos. Para celebrar esta data, a equipa da biblioteca expôs textos de vários autores de expressão portuguesa.

" Da minha língua vê-se o mar "

Virgílio Ferreira

 

 

23 de Abril- Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor - 22 de abril de 2022

 23 de Abril - Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor

A 23  de abril celebra-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor.Esta data tem como objetivo reconhecer a importância e a utilidade dos livros, assim como incentivar hábitos de leitura em toda a população.

Os livros são um importante meio de transmissão de cultura,informação e elemento fundamental no processo educativo.

"A Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) criou a data do "Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor" para encorajar as pessoas, especialmente os jovens, a descobrirem os prazeres da leitura e conhecerem a enorme contribuição dos autores de livros através dos séculos"

 

 

A Revolução do 25 de Abril de 1974 - 22 de abril de 2022

 A Revolução do 25 de Abril de 1974

 

A Revolução do 25 de Abril, também conhecida como a Revolução dos Cravos ou Revolução de Abril, foi um movimento ocorrido a 25 de abril de 1974 que depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933 e iniciou o Regime Democrático. Esta ação foi liderada por um movimento militar, o movimento das Forças Armadas, composto na sua maior parte por capitães.

As principais causas desta revolução são a repressão de liberdades civis, de liberdade política e de liberdade de expressão.

No dia 24 de abril de 1974 às 22h 55, é transmitida a canção E Depois do Adeus, de Paulo de Carvalho, pelos Emissores Associados de Lisboa. O segundo sinal é dado às 00h 20, quando a canção Grândola Vila Morena, de Zeca Afonso, é transmitida pela Rádio Renascença, o que confirma o Golpe Militar e marca o início das operações.

No dia 26 de abril forma-se a Junta de Salvação Nacional, constituída por militares, que dão início a um governo de transição. O essencial do Programa das Forças Armadas (MFA) é, em síntese, Democratizar, Descolonizar e Desenvolver. Entre as medidas imediatas da revolução contam-se a extinção da polícia política (Pide/DGS) e da censura, os sindicatos livres e a legalização dos partidos políticos.

 

 

 

 

 

Comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios ( 18 de abril) - 21 de abril de 2022

 Comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios ( 18 de abril)

 

No dia 20 de abril de 2022, entre as 10:40 e as 11:30, realizou-se, na biblioteca da escola, a atividade O Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz. Esta ação enquadra-se na comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18 de abril), na área do Património Imaterial. Teve como objetivos conhecer o Grupo de Folclore da Casa do Povo de Santa Cruz, promover a cultura popular e respeitar o património imaterial. Os dinamizadores desta formação foram José Spínola – elemento da Direção do Grupo e palestrante e Maria Spínola, Helena Fernandes e José Moniz que, juntamente com José Spínola, apresentaram uma peça musical. A turma participante foi o 5ºC, acompanhada da professora Irene Antunes.

Os alunos, muito entusiasmados, experimentaram os seguintes instrumentos musicais: brinquinho, castanholas, ferrinhos e reco-reco.

No final, os quatro elementos do grupo apresentaram uma canção popular que arrancou muitos aplausos.

Toda a turma se mostrou muito interessada e participativa.

 

Foi uma excelente atividade e uma boa forma de divulgação do trabalho deste grupo.

 

 

Feliz Páscoa - 5 de abril de 2022

Feliz Páscoa

A equipa da biblioteca deseja a toda comunidade educativa uma Feliz Páscoa.

 

 

Baú de Leitura - 4 de abril de 2022

 Baú de Leitura

As alunas Inês  Pinto e Leonor Spinola  do 12º A, participaram  no Concurso Regional de Escrita Criativa promovido pelo Baú de  Leitura nas categorias de prosa e poesia.  Estas alunas ficaram classificadas em terceiro lugar neste concurso com o poema Alma Perdida e a prosa Casa em ruínas.

A equipa da biblioteca dá os parabéns às alunas premiadas.

Alma perdida Texto pictórico número 2

Inês Pinto-12ºA- SC -Secundário

 

As janelas estão bambas

O telhado já cedeu,

Quem diria que nesta casa,

Um dia a felicidade irrompeu

 

Hoje ela está morta,

Tão vaga como a vida

É casa que suporta

A infância perdida

 

Agora, és a lembrança que me atormenta

Da criança que um dia fui,

Agora, sinto-me vazio

Nesta vida, que apenas flui.

 

 

Casa em ruínas Texto pictórico número 2

Leonor Spínola- 12ª A  SC- Secundário

Já abraçada pela Natureza, existe uma pequena casa em ruínas, pela qual todos passam e olham, mas não a veem realmente. Não se perguntam a quem pertence ou que gerações passaram por lá, o que aquelas paredes terão ouvido. Nenhuma alma no mundo sabe a história daquela casa, mas o que se conta é que, naquele lar, viveu uma simples família unida e feliz, pelo menos no início. Lá, terão crescido três irmãos muito diferentes criados por uma mãe dedicada. Do pai nunca se ouviu falar. O irmão mais velho ansiava por seguir os estudos e todas as conversas que tinha com a família o enfadavam, considerava-os incultos e ignorantes. O do meio era o rebelde: desprezava a escola e nada lhe interessava. Não tinha qualquer objetivo no futuro, pois foi encharcado de mimos. Finalmente, o último irmão era um rapaz simples, mimado, mas não tanto, que não sabia que irmão seguir. Os mesmos foram chegados na infância porém, para deceção da mãe, distanciaram-se ao crescer.

A mãe tinha a cara magra e enrugada, mas uns olhos doces. A sua maior paixão eram os seus três filhos e amava-os todos por igual, apesar das suas diferenças. Trabalhava quase todo o dia para sustentar a família e poder dar um bom futuro a cada um deles. O tempo que lhe restava era para cuidar da sua querida casa, outrora, impecável. Era a única que dava o merecido valor ao seu lar e demorava-se a limpar as fotografias nas paredes ou a reparar nas alturas dos seus filhos ao longo dos anos, marcadas na ombreira da porta. Para adormecer, imaginava que o tempo era, na verdade, uma ilusão. Acreditava que os seus rapazes estariam com ela eternamente e que a casa estaria sempre cheia de vida. Apercebeu-se da verdade pouco depois.

O seu primeiro desgosto foi a partida do seu primeiro filho para estudar no estrangeiro. Este prometeu voltar quando concluísse os estudos todavia, passados tantos anos, a pobre mulher continuava à espera. O seu filho mais novo saiu de casa logo a seguir ao irmão mais velho, encontrou trabalho, casou e lá ficou. O do meio perdeu-se por completo, raramente estava em casa, até que um dia desapareceu e nunca mais se soube dele. A velha, sozinha naquela pequena casa, que agora parecia demasiado grande e oca, relembrava as memórias intemporais, o seu único consolo. E assim, o pó começou a aparecer e a espera continuou. Quando a alma desta se desvaneceu, a casa ficou ao abandono e apenas sustentada pelas recordações que lá vivem. Talvez, o espírito da velha senhora ainda esteja à espera dos seus homenzinhos. Diz-se que, apesar de estar em ruínas, ainda se conseguem notar as marcações das alturas na ombreira da porta.

 

 

 

2 de Abril _Dia Internacional do Livro Infantil - 1 de abril de 2022

 2 de Abril -Dia Internacional do Livro Infantil

No dia 2 de abril, comemora-se em todo o mundo o nascimento de Hans Christian Andersen.. A partir de 1967, este dia passou a ser designado por Dia Internacional do Livro Infantil, chamando-se a atenção para a importância da leitura e para o papel fundamental dos livros para a infância. A equipa da biblioteca expôs na vitrine informação alusiva à temática.

A música das palavras

Quando lemos, crescem-nos asas na mente
Quando escrevemos, cantam os dedos.
Palavras são batuques e flautas na página
altos trinados, elefantes bramindo,
rios que correm, águas caindo,
pirueta de borboleta
longe no céu!
As palavras convidam à dança – ritmos, rimas, batidas
das asas, do coração, dos cascos no chão, contos velhos e recentes,
fantasias e verdades.
Quer estejas quentinho em casa
ou a atravessar o mundo para uma terra diferente
e uma língua estranha, as histórias e poemas
pertencem-te.
Quando partilhamos palavras, a nossa voz
torna-se a música do futuro,
alegria, amizade e paz,
a melodia
da esperança.

Margarita Engle
(Tradução de Ana Castro)

 

Autor do Mês-Ana Teresa Pereira - 1 de abril de 2022

 Autor do Mês-Ana Teresa Pereira

 

Ana Teresa Pereira

 

 

Ana Teresa Pereira nasceu no Funchal em 1958.Frequentou um curso de guia intérprete, atividade que abandonou aos vinte e cinco anos para estudar Filosofia na Faculdade de Letras de Lisboa. Contudo, no final do segundo ano, abandonará também a Filosofia e regressará ao Funchal, onde se dedicará exclusivamente à prática da escrita tendo uma já longa e variada carreira literária.
Estreou-se em 1989 com o romance Matar a Imagem, vencedor do Prémio Caminho de Literatura Policial. Esta incursão pelo género policial não se revelará, no entanto, exclusiva. Marca do seu estilo único será uma invulgar capacidade de fundir os géneros, criando um universo muito seu: «Há um enigma em torno de Ana Teresa Pereira. Desde 1989 [...] que publica com uma impressionante regularidade livros que cada vez mais se assemelham ao mesmo livro. Uma notável capacidade de construção literária [...] permite-lhe manter a agilidade propícia à variação. Mas Ana Teresa Pereira possui inequivocamente um território. E explora-o de um modo que só podemos classificar de "obcecado". As personagens transitam de livro para livro com nomes que quase se confundem.» (Eduardo Prado Coelho, sobre O Rosto de Deus). Também se destacou na literatura infantil com os livros “Casa da Areia e a Casa dos Penhascos” entre outras obras do mesmo estilo. A  singularidade da sua temática e a precisão da sua escrita dão-lhe um lugar de relevo na literatura portuguesa.
Tem colaboração nos jornais Público e Diário de Notícias (Funchal) e nas revistas Islenha e Margem 2 (ambas do Funchal).

 

 

  

 
 
CREM - Centro de Recursos Educativos e Multimédia